PSICOPEDAGOGIA ATRAVÉS DA PALAVRA
“TERRA QUE MANA LEITE E MEL”
“”Os teus muros estão continuamente diante de Mim!” (Is 49.16)
Embora os olhos não possam ver todas as coisas, é preciso vê-las a partir do ângulo que se direciona o olhar. Pensar para onde se vai depois da morte ou como se sentir quando se sabe que vai morrer, de cara, se levanta uma questão, entre tantas outras: Por que o susto em saber que vai morrer quando se sabe o tempo todo que se vai morrer? Talvez porque a certeza da data é que causa horror. A incerteza do quando se vai morrer é a vida normal que se tem entre o nascimento e a morte. Como não se apavorar e entrar em pânico o tempo todo, uma vez que todos os seres humanos são mortais? Essa viagem é o mesmo solicitado pelo Senhor quando chamou Abraõ, trocou seu nome para Abraão e lhe ordenou que partisse rumo outra terra, chamada “Canaã”: Terra que Mana Leite e Mel. É preciso levar os passos para frente, acolher a própria existência como possibilidades sem limites, e regressar à fertilidade de exuberâncias riquezas naturais, abundância da essência do valor da vida. O valor é valor, conquanto vale.

É a partir do ser humano falível, mas que é sinceramente dedicado, inteligentemente consciente do trabalho a ser realizado, que se forma o Caminho da Iniciação, de Libertação e Regeneração. É preciso aprender a olhar o existir algo não revelado a ser descoberto, que além dos muros existe uma terra para reintegração de posse. O fato de os valores mais elevados se desvalorizarem, está fundada na essência da não valorização da vida. Um homem abatido pela dor, direciona seu olhar para a cruz, e precisando contar com o auxílio do Seu Senhor, Tomé grita apavorado, questionando e duvidando: “Mataram Meu Senhor!” Ninguém levanta muro onde não há algo que mereça importância. Lembre-se, ninguém vai defender o que está destruído, o que não tem um valor tangível. Existe um destino, o seu, de viajante incansável, caminhante que tem a coragem de inventar e dançar os próprios passos, de decidir deixar de se amargurar, e ultrapassar os limites dos seus próprios muros. Tomé queria explicação de uma causa invisível aos seus olhos.

Numa gigantesca Cidade, impossível de ser descrita por Sua incomparável beleza e glória, a Nova Jerusalém, a capital do Reino Universal de Deus, o propósito original foi restabelecido. O olhar além dos muros se transformaram em felicidade diante do espanto da morte. Aquele Homem na Cruz trouxe de volta a humanidade ao primeiro domínio. Agora os seres santos, anjos e arcanjos, e o próprio Deus está no meio do Seu povo. Portanto, quando se perde a sensibilidade para as coisas essenciais da vida, não se tem mais o ângulo que se direciona o olhar. Para uma pessoa realista como Tomé, fora contraproducente o entusiasmo com que os discípulos quiseram convencê-lo da Ressurreição do Seu Senhor. Uma vez que o espanto toma conta da vida, todas as demais coisas importantes, se tornam insignificantes, e, surgindo a dúvida, Tomé precisou ver para crer: “Se eu não vir o sinal dos cravos nas suas mãos, e não puser o dedo no lugar dos cravos, e não puser a minha mão no Seu lado, de maneira nenhuma O crerei”. (Jo 20.28) Isto foi o fim da discussão. Tomé renega a fé, vista superior da alma, renega a sua própria vista, e se torna um cético crítico destrutivo.

As grandes tragédias do tempo, são constituídas por pessoas que vivem espantadas. Diante do cotidiano, refletindo o não-refletido, é preciso olhar algo mais, olhar além do Cristo crucificado, olhar além do sangue derramado, não revelado a ser descoberto. De repente, Tomé ouve uma Voz calma que soa com toda a nitidez: “Paz seja convosco”. Era a mesma voz que Tomé tão bem conhecia e que Lhe falara da Ressurreição. A causa final agora, destaca-se como determinante, e Tomé fica paralisado diante daquele sorriso que, lentamente desabrochou. Além do mundo visível existe um mundo invisível. Tomé sente um alívio na escuridão da sua profunda alegria. Cristo viera propositamente para ele, se colocando em sua frente lhe diz: “Põe aqui o teu dedo, e vê as Minhas Mãos; e chega a tua mão, e coloca-a no Meu lado; e não sejas incrédulo, mas crente”.(v.29)

A capacidade de espanto como única causa, e movido pela certeza, Tomé disse o que até aí não tinha descoberto: “Meu Senhor e Meu Deus!” A diferença entre o amigo do “Cristo humano” pronto a segui-Lo pelos caminhos deste mundo, e o “Cristo Deus” que o convida a seguir pelo Caminho dos Céus, “ao que Jesus lhe afirmou: Tomé, porque Me viste, acreditaste? Bem-aventurados os que não viram e creram! (v.29) A viagem de volta, a jornada para casa é a meta. Os discípulos olharam na direção do futuro com a certeza da Autoridade Daquele que venceu a morte. Em uma certa ocasião, eles voltaram felizes de uma missão. Então, o Senhor Jesus lhes diz: “Atentai! Eu vos Tenho dado autoridade para pisardes serpentes e escorpióes, assim como sobre todo o poder do inimigo, e nada nem ninguém vos fará qualquer mal. Contudo, regozijai-vos não apenas porque os espíritos vos obedecem, mas sim porque os vossos nomes estão inscritos nos céus”. (Lc 1.20)

Livro da Vida são aqueles livros públicos espessos que registram a existência perante a Lei de um lugar específico ou País. Números como Carteira de Identidade, Passaporte ou CPF, são absolutamente necessários para todas as transações oficiais Para que uma pessoa seja oficialmente declarada cidadã neste mundo, o seu nome deverá estar escrito neste Livro da Vida. Portanto, Registro é um ato ocorrido nos Cartórios, e a data de nascimento é representada pelo dia, mês e ano, registrada na sua Certidão de Nascimento. É uma informação fundamental em qualquer documento de identificação do cidadão. Da mesma forma que acontece no Reino da Terra, também acontece no Reino de Deus.

Mesmo antes que um ser se forme no ventre da sua mãe, Deus já o conhece. Ele diz: “Eu te gravei nas palmas das Minhas Mãos; (Is 49.16) Quando se observa o restante do versículo, no mesmo parágrafo, Deus afirma: “seus muros estão diante de Mim!”(v.16) Os pés dos hebreus tinham que pisar na areia cálida e seca, mas a Presença de Deus garantia a vitória do povo nesta caminhada. “Durante o dia o Senhor ia adiante deles, numa coluna de nuvem, para guiá-los no caminho, e de noite, numa coluna de fogo, para iluminá-los, e assim podiam caminhar de dia e de noite”. (Ex 13.21) A história relata que o povo saiu do Egito rumo à Canaã, a Terra Prometida, e em comparação às terras do Egito, Canaã era farta, e produzia leite e mel. Uma figura de linguagem da fertilidade e abundância, leite é usado como símbolo de paz e prosperidade, e mel como símbolo de cura e vida. O regresso à fertilidade”, aludida como “pequenos riachos do qual fluem vida em abundância, o peregrino deve se animar enquanto atravessa o deserto.

O caminho se faz caminhando, e o caminhante precisa conquistar sua terra. Foi para o Progresso da alma que o Senhor Jesus Cristo lutou valorosamente. Ele atingiu a mesma meta que todos os homens almejam, o destino especial sobre a morte. A morte foi tragada pela vitória. “Onde está, ó Morte, a tua vitória? Onde está,ó Morte, o teu aguilhão?” (1 Co 15.55) O futuro será estabelecido pelas atividades atuais, e pode ser mudado se mudar a maneira de pensar e atuar na vida, geralmente conhecido como “lei de causa e efeito”. Por isso, Davi pede para Deus examinar o mais profundo do seu interior: “Vê se há em mim algum caminho mau, e guia-me pelo caminho eterno”. (Sl 139.24) O homem só consegue reconstruir seus muros, quando remete para a suas fraquezas, colocando o Senhor Deus nas “brechas”de suas limitações. “Porque Contigo entrei pelo meio duma tropa, com o Meu Deus eu saltei muralha”. (Sl 18.29)

Diante das oposições, o rei Davi se coloca aos pés do Senhor Deus em quebrantamento e, declara sua fidelidade para o funcionamento perfeito de proteger a Nação de Israel dos inimigos. O Salmo 18 faz parte do Cântico de Davi no final de sua carreira, quando Deus o livrou das mãos de todos os “Sabotadores”. Terminou a vida com o título de maior rei que Israel já teve em toda a sua história. A maior conquista do Antigo Testamento foi a Muralha de Jericó. Era uma proteção dupla, com um grande muro dentro de outro. Os 10 espias viram os gigantes e os muros. Mas, Josué e Calebe viram o Grande poder e as promessas que iriam se cumprir diante das Potentes Mãos de Deus. Portanto, Causa Final está atrelada ao propósito ou objetivo da consequência: “Terra Prometida”. Esse é o Ponto Central do Evangelho das Boas Novas.

A Causa Final destaca-se como determinante:”Nec Plus Ultra”- “Não Mais Além. Não se pode mais ultrapassar o ponto, o limite foi estabelecido. O Caminho da Eternidade alavancou, e o Espírito Santo de Deus está na Terra Santa, Deus nos dá Ele Próprio. Nenhuma ultima palavra. “Já não sou eu quem vive, mas Cristo vive em mim”. (Gl 2.2) Tudo que Deus propôs e planejou para o povo da promessa está na Ressurreição: “Está Consumado”. A visão de Estêvão tranquilizou-o ao olhar os céus abertos. Em vez de se atemorizar e se espantar, cheio do Espírito Santo de Deus, Estêvão anuncia aquilo que vê: viu o Senhor Jesus Cristo à direita de Deus”. (Atos 7.55) Diante do cotidiano, procure esclarecer o que se apresenta como obscuro, salte as muralhas em busca da verdade, transporte seus muros para algo que mereça importância. Faça como Jó, ao saltar suas muralhas ele disse: “Eu te conhecia só de ouvir, mas agora os meus olhos te vêem!” (Jó 42.5)
Pra e Psicopedagoga: “MÔNICA DRUZIAN”

Ref:
Bíblia Sagrada
História Essencial da Filosofia- Paulo Ghiraldelli Jr.

PSICOPEDAGOGIA ATRAVÉS DA PALAVRA
“O QUE VOCÊ VAI SER QUANDO CRESCER?”
Para homens pode parecer impossível, mas para Deus TUDO é possível”. (Lc 1.37)

A escolha de uma área profissional para atuação, é apenas mais uma dentre tantas outras que se faz em outras áreas da vida. A questão da escolha por si só é um estágio ou período da vida caracterizado pelo conflito da dúvida do ser quando crescer. Esta é uma pergunta que significa literalmente, a própria condição na vida de uma criança ou adolescente, como que perguntando: Quem te sustentará no futuro? Assim, de geração em geração e respondida de acordo com os mais variados desejos, os adolescentes se angustiam diante das decisões, quando tendem a escolher uma profissão, que garantirá sua independência financeira. Pessoas perguntam em redor: Que vai ser quando crescer? Então, a vida perde a autenticidade e muitos se perdem de si mesmos, pois, Ser ou não ser não é a questão. Para crescer é preciso nascer, e nascer a cada instante significa transformar-se em um movimento constante. É preciso ter vontade para continuar algo que se fundamenta em si mesmo, o próprio “Ser”.

Tal como qualquer criança, o Menino Cristo desenvolveu-se através das fases da vida humana até a idade adulta: “E crescia Jesus em sabedoria, estatura e graça, diante de Deus e dos homens”. (Lc 2.52) O médico Lucas faz um resumo significativo sobre o crescimento do Menino: estatura, sabedoria e graça diante de Deus e dos homens. Os instrutores no Templo em Jerusalém, ficaram surpresos de ver um menino com apenas doze anos, saber tanto à respeito de Deus. Aquela pequena criança de Narazé entre os doutores da Lei, revelou quem Ele era:”EU SOU” . São sete declarações sobre Si mesmo. Em todas as sete, Ele combina Eu Sou com metáforas que expressam a Sua imensa escolha de nascer a cada instante: Eu Sou o Pão da Vida; Eu Sou a Luz do Mundo; Eu Sou a Porta das Ovelhas; Eu Sou o Bom Pastor; Eu Sou a Ressurreição e a Vida; Eu Sou o Caminho, a Verdade e a Vida, e Eu Sou a Videira Verdadeira. (João)

Grande heróis da fé se destacaram na História, não por ser um grande homem, mas por ter um Grande Deus. Ana disse: “estou dedicando este menino ao SENHOR. Enquanto ele viver, pertencerá à Deus”. E, Samuel cresceu em sabedoria, estatura e graça, porque passou pela veia da educação. Samuel se tornou um instrumento central na construção da sociedade de Israel. Tornou-se sacerdote, profeta e Juiz, o maior ministério daquele Reino. Alguns dizem que o impossível é mais uma das especialidades de Deus, afirmando que Deus é capaz. Esta frase tem sentido, mas há que se considerar que, como algumas citações da Bíblia, o que o indivíduo conhece como ” impossível”, nada mais é do que um conceito criado pelo próprio homem, talvez para justificar sua limitação ou incapacidade. Portanto, o Espírito Santo de Deus não conhece e nunca conheceu essa palavra “Impossível”ou “Absurdismo”.

O Espírito Santo, sendo de origem Celeste, é composto, como tudo aquilo que vem do Céu, de “Luz” e de “Fogo”. Nenhum planejamento humano estava envolvido, e o Espírito de Deus abriu a mente e o coração dos homens valentes com Sua Luz. “O Espírito é Senhor, Ele Sopra onde quer”. (Jo 3.8) Eliseu teve a visão espiritual apurada para contemplar o desdobrar de todos aqueles acontecimentos, para além das sensações físicas. E, a força incandescente, desprendeu-se do mundo físico em ondas que se elevaram num raio de energia fluídica para as regiões infinitas do Mundo Espiritual. Sua alma foi elevada para além das fronteiras do Mundo Material. De repente, destacou-se com os cavaleiros de fogo, de combate do Reino de Deus, faculdade a qual quem a possui vê, ouve e sente além dos limites dos sentidos humanos, denominadas de percepções psíquicas. O profeta Eliseu viu com os olhos do espírito, a ponto de perceber no estado normal de consciência, o trespasse de Elias para o Reino Invisível. “Eliseu viu carros de fogo ao seu redor”. (2 Rs 2.11)

O rio Jordão nasce no alto do Monte Hermom, e por isso, Jordão significa aquele que desce. Com ímpeto, diretemente relacionado com a ação para receber o impácto de vencer a si mesmo, o dado referencial do rio Jordão é o chão. Enquanto descia, a gravidade acelerava suas águas para baixo, fazendo o trabalho de parar o atrito das águas com o solo seco e árido, fazendo deste pequeno rio um córrego barrento e imundo. De repente, entra nas águas barrentas e imunda do rio Jordão, o General Naamã da Síria. Este General fora acometido pela doença da lepra. A ordem do profeta Eliseu foi para que Naamã mergulhasse por sete vezes neste pequeno rio barrento. Naamã se achou melhor do que aquele pequeno rio, e, mesmo achando os rios de Damasco melhores do que todas as águas de Israel, Naamã seguiu a ordem do profeta Eliseu, e desceu ao fundo das águas, e na sétima vez, recebeu a beleza da “Purificação.

Outra passagem na Bíblia, diz que Deus abriu imediatamente os olhos do ajudante de modo que viu; e eis que a região montanhosa estava cheia de cavalos e de carros de guerra, de fogo, em torno de Eliseu”. (2 Reis 6.15,17) Pedro disse: “Não possuo nem prata nem ouro, em nome de Jesus Cristo, o Nazareno, anda”. (At 3.16) João Batista, sendo mero homem, tinha autoridade para mergulhar as pessoas nos rios, mas o Senhor Jesus Cristo tem autoridade para mergulhar a alma do homem no Fogo do Espírito Santo. “Ele vos batizará com o Espírito Santo e com Fogo”. (Mt 3.11) Analisa-se, então, que é o próprio Céu que se rasga para dar o trajeto da Glória de Deus. Encontrar e presenciar a Gória significa olhar além deste mundo que o mantém em seu poder. No dia em que o Senhor soprou o Espírito Santo sobre os discípulos, aquele pequeno grupo de homens ignorantes, sofreu uma tão forte mudança, que, começaram a falar com tanta Sabedoria, que todos ficaram encantados com tão grande Retórica. O Grande Dom do Céu: “Receberei o Espírito Santo”. (Jo 20.22)

Portanto, a etimologia do cognoscente está no latim cognoscere, que significa “aprender sobre” ou “saber sobre”, formando a partir da palavra latina gnoscere, que quer dizer literalmente “conhecer” ou “saber”. Viver é justamente querer ser diferente desta natureza carnal. O canto conclusivo está além do véu rasgado, e é preciso processos do intelécto do “ser-aí, o “estar-ali”, de abrir-se para além, para a compreensão da alma que desenvolve o pensar, não o pensado. Em termos cognitivos, é inegável a limitação cognitiva dos seres humanos, mas, o Espírito Santo de Deus é “Onisciente”, e por isso Superior aos homens. Portanto, Deus supera o homem e os demais seres, em capacidades cognitivas, transformando-os para “educar”. Da concepção, na união que começa a vida, no momento da fertilização, a partir desse momento, um ser se torna humano. Agora, o “Sou” humano está vivo, independente de algo, de alguma circunstância. Portanto, o ser se manifesta em Deus.

“O impossível reside nas mãos inertes daqueles que não tentam”.(Epicuro) Disse George B. Shaw: “É impossível progredir sem mudança, e aqueles que não mudam suas mentes não podem mudar nada”..sem falar daqueles que mudam somente para pior. A vida é uma atitude, e consequentemente, não se estuda: faz-se. Os midianitas oprimiram os israelitas por sete anos. Eles subiam cada ano e tomavam os produtos alimentícios dos campos e todos os animais dos hebreus. Para sobreviver, os israelitas escondiam alimentos do devorador. Gideão ouviu as palavras do Anjo: “O Senhor é contigo, homem valente”. (Jz 6.12) Gideão focou no Anjo e disse: eu, homem valente? O Anjo lhe explicou que a força verdadeira não viria de si mesmo, e sim de Deus. Este guerreiro se destacou na História, deixando uma mensagem fortalecedora, de que, ninguém é forte o bastante para resolver seus próprios problemas sozinho. Disse o apóstolo Paulo: “Tudo posso Naquele que me fortalece”. (Fp 4.13)

Ninguém sabe por que e quando começou a crescer. Apesar de não saber o que ser quando crescer, continuam crescendo. A palavra “ser” significa “essência” e “substância”, serve para ligar o sujeito ao predicado, exprimindo a existência da vida. Alma e matéria se encontram na fecundação e é aí que começa a vida. Mas, a vida que ninguém vê está lá, pois, viver é nascer para crescer. A efemeridade da glória deste mundo passa, mas, o trajeto do menino que sonhava com a passarela, acordou com o horror. Suas pernas não podiam mais pisar na avenida, começou a envelhecer e, até sua voz não puxava mais o enredo. Suas pernas eram as únicas asas que tinham no desfile de sua escola. Agora, todo seu esforço o conduz ao descompasso de um grito travado. Ele desce o Morro, e seu impácto será o chão. Pela primeira vez, o menino decifrou o seu crescimento, compreendeu que todos nascem para envelher. Mas, ser velho não é doença, e aquele menino continuou sonhando, e é aí que a vida começa, a vida que ninguém vê, subir além do céu, numa carruagem de fogo. Disse Fernando Sabino: “Quando eu era menino, os mais velhos perguntaram: o que você quer ser quando crescer? Hoje não perguntam mais. Se perguntassem, eu diria que quero ser menino”. “E repousará sobre ele o Espírito do Senhor, o espírito de sabedoria e de inteligência, o espírito de conselho e de fortaleza, o espírito de conhecimento e de temor do Senhor”. (Isaías 11.2,3)
Pra e Psicopedagoga: “MÔNICA DRUZIAN”

Ref:
Dicionário da Bíblia- John D. Davis
Dicionário Técnico de Psicologia- Álvaro Cabral e Eva Dick

PSICOPEDAGOGIA ATRAVÉS DA PALAVRA
“FLOR DO BREJO”
“Eu Sou a Rosa de Saron, o Lírio dos Vales”. (Ct 2.1)
Elucidar é dar a conhecer a origem ou o motivo daquilo que é difícil de conceber, para chegar à conclusão final onde todas as dúvidas são desvendadas. O texto informativo elucida e esclarece sobre o tema em questão, e as figuras retóricas são utilizadas para se referir ao modo como as ideias são transmitidas, com base na convicção e clareza. Um vale ou brejo é um terreno permanentemente irrigado por rios e fertilizado por seu transbordamento. Um vale nunca cai no esquecimento ou é abandonado, o pântano o assegura com nascentes. Por vezes, o sentido conotativo é responsável por encontrar um novo emprego para os vocábulos, bastante usados a nível poético, que remete para novos significados em função de seu contexto. Portanto, cada raiz é a herança de sabedoria, o “sustentáculo” da sua constituição e genealogia.

Primeiro as raízes desempenham a função de “sustentação” das plantas, e só, posteriormente, elas adquirem, também a capacidade de alimentação. As palavras são símbolos dos objetos, e os objetos se convertem em símbolos ou substitutos de ideias, sentimentos e tendências, e os símbolos exprimem-se concepções de uma forma significativa, uma espécie de taquigrafia mental. A palavra raiz vem do latim radix e significa base ou fundamento. As raízes, como o próprio original revela, é o que dá o apoio, o amparo. A água é a Fonte, onde as raízes vão para ter vida. O segredo da nobreza da flor está no consentimento do seu nascimento. Se é o nascimento diferentemente das outras determinações, que dá imediatamente a flor uma posição, então é seu corpo que faz dela este funcionamento, de ser um lírio determinado, a herança mediante de suas diferentes formas de subjetividade, e na certeza de “si mesmo”. O Univeral em si e para si, a existência garantida sem duvidar da Essência do poder da sustentação, em meio a tanta sujeira, miséria, destruição e violência, há algo que enche os olhos, ao contemplar a beleza do lírio, não os espinhos que tentam embaraçar um coração entendido, tentando inquietar e sufocar a mente.

O Ser não é o poder sobre esses sustentáculos, mas o poder do Sustentador. O Sustentador é quem detém o Poder. Que existência elevada é essa, que necessita de uma garantia fora de si mesma? E que deve, além disso, ser a Existência Universal desta mesma garantia e, portanto sua real garantia? O Lírio do Vale tem sua existência legal na Essência Universal. A representação se funda na “Confiança”, algo muito diferente de dar. Tem-se confiança quando na Flor se observa a intenção de tratar a causa como sua, segundo a melhor consciência e conhecimento. Com isso, o representar também não possui mais o significado de que um ser humano, nunca está no lugar do outro, pois, o Sustentador dos lírios se encontra presente em seus representantes, que está lá para o seu próprio elemento objetivo: “Sustentação e Alimentação. É o simbolismo mental encerrando um grande significado real na vida cotidiana. É através do pensamento que a mente Individual se liga à mente Universal, à Reserva Infinita. “Um Renovo sairá do Tronco de Jessé, e um Rebento brotará de Suas Raízes”. (Isaías 11.1)

A Bíblia se refere ao Senhor Jesus Cristo como vários nomes e títulos. Um deles, portanto, é a Raiz, que pela vertente de um vale pode circular as águas de um rio. Verdades que poderiam ter sido ditas de forma direta e fria, foram escritas de forma poética e doce. É impossível não se encantar, não se embevecer, não se sentir elevado com o simbolismo do Lírio dos Vales. Tão sonoras em suas colocações, tão profundas em seus pensamentos, esta Flor do Vale faz tremer em admiração, como algo magnífico que designa reverência e respeito à contemplação da vida que é a própria riqueza. A consciência é um Saber Infinito que é uma “quantidade” sem começo nem fim. A Eternidade não é o tempo que vai durar para sempre, mas a existência fora do tempo, ou ausência de tempo. Portanto, Consciencia Universal é um Oceano Infinito e Eterno de Sustentação e Alimententação da Raiz de todas as raízes. Disse Jesus:”Eu Sou a Raiz de Davi”…(Ap 22.16)

Uma planta sem raiz não pode crescer, e, metacomunicar é sair por um momento do conteúdo do diálogo para abordar a forma, o modo como a comunicação é feita ou não. Metacomunicar é, muitas vezes, uma etapa indispensável para a renovação das relações desgastadas. Entender é uma questão de atenção, é ir além da escrita, para captar o essencial e alcançar o outro em sua realidade própria. Tudo se passa como se o que o outro tem a oferecer é menos importante do que aquilo que não tem para dar. Privilegia-se a falta, não a oferta, e quando verdadeiramente se dá algo, é sem expectativa, sem cálculo de espécie alguma, é espontâneo, o que significa que emana do ser, seja ou não recebido. Mostrar a gênese interna da Mente de Cristo no cérebro humano, descreve o ato de nascimento da psique, da alma, cuja conotação é espírito, mente ou ego. Existe uma relação entre a mente e o mundo interior de cada ser humano. A mente observa e interpreta a realidade, e tem o significado de pensar, conhecer, entender, significando também “medir”, visto que alguém que pensa não faz outro que medir e ponderar as ideias. “Nós, porém, temos a Mente de Cristo”. (1 Co 2.16) Mas, afinal, o que é ter a Mente de Cristo?

O siginificado da Flor começa em suas raízes, literalmente! É um tipo de Lírio da água, cujas raízes estão fundamentadas em meio à lama e ao lago de lodos. O Lírio vai subindo à superfície para florescer com notável beleza. O simbolismo está especialmente nesta capacidade de enfrentar a escuridão e florescer tão limpa, tão bonita e tão especial. À noite as pétalas deste Lírio se fecham e a Flor mergulha debaixo da água. Antes de amanhecer, ela levanta-se das profundezas até ressurgir à superfície, onde abre suas pétalas novamente. Suas luminosas e imaculadasm pétalas, tem o dom de “auto limpar-se”, ou seja, conseguem repelir microrganismos e poeiras. A água lodosa que acolhe a planta, é associada ao apego e aos desejos carnais, mas, a Flor imaculada que desabrocha sobre a água em busca de luz, é a promessa de pureza e elevação espiritual. A Flor dos Vales resiste às pragas com determinação e perseverança, mesmo em meio ao lodo em que vive, e, não há nada que a impeça de florescer tão bela e perfumada, com a mais bela roupa que se pode ter, mesmo no meio da lama. “Disse Jesus: Olhai o Lírio dos campos!”. (Mt 6.28)

Esta Flor foi citada pelo Senhor Jesus Cristo como a Flor mais delicada e linda, comparando-a com Salomão, que com toda a sua glória e riquezas, não se vestiu com a mais bela roupa. O Lírio é apenas uma flor que se perde entre as muitas outras flores que crescem no vale. Por causa disso, nenhum lírio do campo disputa um lugar de destaque acima de outros lírios. Não existe nenhum lugar para o lírio que seja acima dos seus iguais. O Senhor Jesus Cristo não disse meramente: “Olhai os líros do campo”…Na verdade, Ele disse: “Olhai como eles crescem!”E, como crecem os lírios do campo? Crescem sem serem percebidos pelos homens. Ninguém percebe uma criança crescendo, mas ela cresce independentemente do olhar de um “eu”, pois, ela se alimenta com a essência importante que atravanca os horizontes possíveis, o próprio Sustentador. Portanto, o Lírio é um símbolismo de pessoas fortes, que lutam e perseguem energicamente seus objetivos, triunfando onde qualquer outra pessoa teria abandonado o combate. Quem é você para você? Quem sou eu para mim? Se você não existisse, que falta faria? Disse Benjamim Disraeli: “A vida é muito curta para ser pequena”. Mas, quando uma vida é pequena mesmo? Uma vida é pequena quando sua presença não faz diferença alguma para si mesma, quando não se cultiva para fazer florescer sua própria existência.

Mesmo quando a vida está em baixa, existe sempre a perspectiva de surgir um tempo de beleza, de fartura, de provisão. Apesar de todas as adversidades, há sempre a presença de algo belo a ser visto, focalizado e priorizado. Quando o vale da existência está recheado de abutres, répteis e ervas daninhas, é necessário acreditar que, mesmo num vale escuro, a semente do Lírio está lá, latente, pronta para brotar e se fazer presente. O belo da vida se perde diante da vida curta, da feiura do contexto da pequenez da existência. “Portanto, vos afirmo: não andeis preocupados com a vossa própria vida, quanto ao que haveis de comer ou beber; nem pelo vosso corpo, quanto ao que haveis de vestir. Não é a vida mais do que o alimento, e o corpo mais do que as roupas? (Mt6.25) “Disse Jesus:”Não vos inquieteis!” (Mt 6. 34) Tudo se passa como se o que o outro dá, fosse menos importante do que aquilo que não dá, e privilegia-se a falta, não a oferta. Aprenda a respeitar os sentimentos mais profundos, assumindo a responsabilidade pelas mudanças que se pode permitir. Um coração sábio e discernidor, que observa e avalia tudo, do ponto de vista de Deus.
Pra e Psicopedagoga: “MÔNICA DRUZIAN”
Ref:
University of Hamburg. Departament of Biology.

PSICOPEDAGOGIA ATRAVÉS DA PALAVRA
“NO CORAÇÃO DE SÃO PAULO”
“Passará o Céu e a Terra, mas as Minhas Palavras não hão de passar”. (Lc 21.33)

Impugnar é o ato ou efeito de colocar-se de modo a formar um obstáculo, a impedir e a contrapor-se às ideias ou argumentos contrários contra uma causa. Oposição significa impedimento, e foram muitos os opositores que colocam barreiras no ministério do apóstolo Paulo. Existiram dias em que a dor e o sofrimento castigaram demais o coração e a vida deste missionário dos gentios. De tanto sofrer, Paulo imaginou que a sua dolorida situação jamais teria um fim. Mas existe uma Promessa”Daquele que fez a promessa. “Mas os que esperam no SENHOR renovarão as forças, subirão com asas como águias; correrão, e não se cansarão; caminharão, e não se fatigarão”. (Isaías 40.31)

Em um navio cheio de homens presos, rodeados por escoltas, lá estava o missionário no meio de uma grande tempestade em alto mar. Enquanto o tufão continuava com força total, e o barco totalmente fora de controle, com a água entrando, a embarcação corria tanto o perigo de afundar a mar aberto quanto o de ser despedaçada contra uma costa rochosa. Exaustos pela batalha contra a tempestade, nauseados com enjôo marítimo, fracos por causa da fome e desmoralizados pelo medo, eles perderam toda a esperança de serem salvos. Paulo demonstrou uma impressionante combinação de fé e sabedoria prática. Paulo estava motivado pelo Espírito Santo de Deus, e todos chegaram salvos à praia. “Porque Contigo passo pelo meio de um esquadrão, pelo Meu Deus salto um muro”. (2 Sm 22.)

Paulo proclamou as Boas Novas passando por cima de todos os obstáculos. Um dos termos mais conhecidos é “discípulo ou aprendiz”. Pela observação do Mestre, um discípulo não é alguém que senta numa sala de aula enquanto o professor derrama fatos e ideias sobre eles. Um aprendiz é aquele que observa Seu Mestre quando ensina, depois sai para fazer o mesmo: “Seguidores do Caminho”. (Atos 9.22; 22.4) Um discípulo é alguém que confia em Seu Mestre a ponto de fazer da agenda de Deus para o mundo, a sua maior prioridade. Qual é o voto de todas as etnias médicas? É o voto de sua maior prioridade: “Salvar Vidas”.

É preciso deixar-se ensinar, percorrer todo o caminho da aprendizagem. Existe uma lição de vida, e veja essa barreira, essa afronta como uma lição a ser aprendida.”Passei pelo campo do preguiçoso, pela vinha do homem sem juízo; havia espinheiros por toda parte, o chão estava coberto de ervas daninhas e o muro de pedra estava em ruínas. Observei aquilo, e fiquei pensando, olhei e aprendi esta lição: vou dormir um pouco, você diz. Vou cochilar um momento; vou cruzar os braços e descansar mais um pouco, mas a pobreza lhe virá como um assaltante, e sua miséria como um homem armado”. (Provérbio 24.30-34) Em suas andanças, o sujeito deste texto, afirma ter passado pelo campo de um homem preguiçoso, e o que ele viu foi espinheiros por toda a parte, o chão estava coberto de ervas daninhas, e o muro de pedra estava em ruínas. A causa disso não era nenhum tipo de desastre natural, mas a falta de ação de responsabilidade, tanto no campo, para garantir seu sustento, como em casa, na manutenção da sua propriedade.

O homem “ocioso” diz para si mesmo: “vou dormir um pouco”. Exausto de não fazer nada, ele decide “cochilar um momento” e, depois, “cruzar os braços e descansar mais um pouco”. O observador concluiu: essa propriedade pertence a algum preguiçoso que não tem entendimento. Damásio disse: “Toda e qualquer expressão racional está baseada em emoções”. As pessoas frequentemente se comportam de certo modo como um resultado direto de seus estados emocionais. Etimologicamente, a palavra “Emoção” provém do Latim emotione, movimento, comoção, ato de mover, no sentido de “agitação da mente ou do espírito”. Como o sujeito chegou a conclusão que naquela propriedade morava um preguiçoso? Observando com calma as urtigas que cresciam e tomavam conta do terreno, o muro de pedra que estava em ruínas. Pode-se olhar o exterior das pessoas, mas nas profundezas da alma, somente Deus pode observar e avaliar.

Emoção Cognitiva diz respeito ao conhecimento, ou seja, é aquela que uma pessoa sente e sabe definir o porquê de sentí-la. Portanto, torna-se visionário para a caminhada rumo à aprendizagem significativa, a pessoa que está vivenciando a situação. O aspecto intelectual, quanto o afetivo devem estar envolvidos no processo de aprender. Diante de uma crise existencial, são muitas as pessoas que se sentem incapacitadas para expressar suas emoções, a impossibilidade de verbalizar e identificar sentimentos. Portanto, relação razão-emoção, que antes era ignorada, hoje tem-se mostrado aspecto relevante, pois, apesar de as emoções não serem atos racionais, são as emoções que, através dos sentimentos, desencadeiam o Processo Cognitivo. A incapacidade de identificar as próprias emoções e a impossibilidade de expressá-las de forma verbal, geram desarranjo, desordem e perturbação. Se deve a isso a um Transtorno Neurológico conhecido como “Alexitimia”, que impede as pessoas afetadas, identificar as emoções que experimentam, não conseguindo expressá-las verbalmente.

Para se ter uma visão é necessário conseguir ver algo que não está fisicamente presente na cena. Ver além das aparências significa vasculhar o coração das experiências que estão guardadas nas profundezas da alma. Chesterton é um grande pensador cristão, e ele diz em uma das suas obras: “As mãos que fizeram o Sol e as estrelas, agora são as mãos que curam, as Mãos de Cristo, o Médico”. “Respondeu-Lhes Jesus: Os sãos não precisam de médico, e sim os doentes. Não Vim chamar justos, e sim pecadores, ao arrependimento”. (Lc 5. 31,32) O Senhor Jesus Cristo veio para os doentes, e como disse o apóstolo Paulo: “não há no mundo um justo, nem um sequer”. (Rm 3.9,11) Todos precisam enfrentar as enfermidades psicossomáticas. Portanto, enfrentamento é briga entre adversários, luta, choque, conflito, combate, batalha. É preciso Estratégias de Enfrentamento Psicológico (Coping) na luta contra a maldade, atitudes malígnas que são as causas das transgressões sem causa. “Mas Jesus, conhecendo os seus pensamentos disse: Por que pensais mal em vossos corações?” (Mt 9.4)

Lembrem-se de que foi Deus quem conduziu o Senhor Jesus a um deserto sem alimento. O opositor aconselhou ao Senhor Jesus a agir independentemente, e encontrar Seus próprios meios para suprir Suas Necessidades. Mas, o plano de Seu Superior era que o Médico enfrentasse o aprendizado na área de Sua Humanidade. Desde que o Superior de Medicina prometeu preservar o Médico do perigo, é certo criar um perigo, pois a Residência médica é obrigatória. Para o coordenador da Comissão de Residência Médica do Hospital de Clínicas de Porto Alegre, ingressar no período de especialização, muitas vezes, é mais difícil do que passar no vestibular. A “Confiança” verdadeira aceita a Palavra do Seu Superior, e não necessita testá-la. Após passarem seis anos na faculdade, o médico tem mais uma peneira pela frente, o aprofundamento médico que desempenha uma especialidade, que só são conquistadas depois de concluída a “Residência”.

Segundo estima a Sociedade Espanhola de Neurologia(SEN), 10% da população mundial perdeu a capacidade de amar. Diz respeito à marcante dificuldade em verbalizar emoções e descrever sentimentos, bem como sensações corporais. Alexitimia é uma palavra de origem grega, a= sem; lexis= palavra; thimos= coração ou afetividade. Portanto, uma pessoa Alexitímica tem a incapacidade de falar sobre o “Universo Interno” como uma “Cegueira Emocional”, ou seja, “Ausência de Palavras para suas Emoções. Por isso, existe a necessidade genética da criança em ser “criada”, isto é, em ser cuidada durante a fase em que ainda não pode cuidar de si mesma, por ser um ser incompleto. A ausência ou negligência nesses cuidados, prejudica o desenvolvimento social e emotivo da criança. Um dos possíveis resultados dessa negligência é a Alexitimia. A criança não só não aprende a desenvolver sentimentos conscientes, como aprende a evitá-los. Ela aprende a evitar a conscientização das emoções, a partir da emoção negativa de dor, consequência de sua necessidade não atendida, da negligência de que foi objeto, registrada na expressão de quietude e isolamento.

O psicanalista Freud sempre insistiu em que o ser humano funciona como uma unidade “mente-corpo”. Sentir as palavras é ter também efeito sobre o corpo, ou seja, “A Palavra deve entrar em ação”. É preciso “Lexitimia= Palavra no Coração”. O Dr. Paul Brand, cirurgião de mãos, que trabalhara com leprosos na Índia, disse: “Ouça sua dor. É seu corpo falando com você”. Hudson Taylon, missionário-médico, cirurgião britânico na China, declarou: “Meça sua vida pelas perdas e não pelos ganhos; não pelo vinho consumido, mas pelo vinho oferecido, pois, a força do amor se põe em sacrifício do amor, e o que mais sofre mais tem pra dar”. Este é o grande desafio do Grande Observador que vislumbra as entranhas mais profundas, olhando com exatidão os porões do “subconsciente”. Por isso, cuidado ao rotular um adolescente de preguiçoso. Ele pode estar vivenciando medo, angústia, cólera. Então, tenha competências de raciocínio e emoções para ser um observador, sem ser um opositor.

A lição aprendida é um ganho intelectual e afetivo. Intelectual, porque adicionou conhecimento à sua bagagem, e, afetivo, porque integrou esse conhecimento ao seu sistema de valores, agregando valores à vida. O observador aprendeu que o estado de abandono e ruínas em que se encontravam aquela chácara, tinha causa e consequência. A consequência: a pobreza e a penúria, que estava cercando a chácara como um homem armado pronto para atacar. O tratamento da Alexitimia, consiste em ensinar o poder da Palavra (lexis) identificando as emoções na alma ( coração), e processar o conhecimento cognitivo de “querer” levantar e andar. “Jesus viu o homem deitado e, sabendo que fazia trinta e oito anos que ele era doente,perguntou:-Você quer ficar curado? Ele respondeu:- Senhor, eu não tenho ninguém para me pôr no tanque quando a água se mexe. Cada vez que eu tento entrar, outro doente entra antes de mim. Então Jesus disse:- Levanta-se, pegue a sua cama e ande! No mesmo instante, o homem ficou curado, pegou a cama e começou a andar”. (Jo 5. 5,9)

Vá para dentro de si, pois é lá o local mais confortável e silencioso, para encontrar a conscientização do verdadeiro Marco Zero da maior Capital Brasileira. O EStado mais rico do Brasil tem representações de todos os cantos do país e do mundo. Viver em São Paulo é exatamente a arte de ser cidadão do mundo. São Paulo deixa todos caber nela.O apóstolo Paulo provou na prisão açoutes, em surras, em apedrejamentos, tentativas de linchamentos e julgamentos de todos os tipos, como um marginalizado. Mas, seu objetivo era pregar em Roma, mesmo sobre forte rejeição. As cartas que Paulo escreveu, influenciou líderes, que de “braços abertos” acolhem a todos como “propriedade exclusiva de Deus”, e “devemos proclamar as virtudes Daquele que nos chamou das trevas para a sua maravilhosa Luz”. (1 Pe 2.9) Um dos termos mais conhecidos é “discípulo” ou “aprendiz”, aquele que Confia no seu Superior a ponto de fazer da agenda de Deus para o mundo a sua maior prioridade na vida. Parabéns, São Paulo, pelos 463 anos.
Pra e Psicopedagoga: “MÔNICA DRUZIAN”

Ref:
Portal Educação
Emotional Conpetency discussion of emotion.
Damásio, Antônio. Fundamental Feelings.
Men Ageing And Health

PSICOPEDAGOGIA ATRAVÉS DA PALAVRA
“MARCO DE VITÓRIA”
“Até Aqui Nos Ajudou o Senhor”. (1 Sm 7.12)
O capítulo sete de Samuel conta a luta vitoriosa dos hebreus, descendentes de Jacó contra os filisteus. Embora os filisteus fossem mais numerosos, Deus esteve à frente da batalha e a vitoria foi ganha pelo Senhor para o Seu povo. Em atitude de gratidão, Samuel fixou uma pedra no local onde começou a batalha vitoriosa e a chamou “Ebenezer”, que quer dizer “Pedra de Ajuda” ou “Gratidão”. Existem dois termos muito amplos que precisam ser esclarecidos: “Até Aqui e Onde Chegar”. Em qualquer das duas alternativas não se tem como seguir adiante, e permitir que outros sigam contigo.

Pode-se conhecer todos os fatores que levaram o apóstolo Paulo até o rei Agripa. Paulo fala dos açoites, das torturas, dos percalços, das injustiças, da violência descabida contra ele praticada, mas seu foco não foram os obstáculos e também não foram as barreiras. Os fatos ruins que marcaram sua “retrospectiva” ficaram para trás. Paulo não permaneceu nas mortes, na dor, na tragédia, nos rápidos fracassos. O seu segredo foi na “perspectiva” da esperança de onde ele queria chegar. Mesmo diante de uma vida sofrida, Paulo não foi desobediente à Visão Clestial. Ele tinha a convicção de que “até ali o Senhor Deus o havia guiado, e ele manteve vívida em sua mente o conceito de um homem que andava com Deus para seguir adiante.

O fato é que quando se conhece alguém, se está tomando conhecimento a respeito de uma Pessoa. Essa Pessoa não é simplesmente “uma pessoa qualquer”. Por quê? Porque se sabe que Ela é Única.Por mais parecida que Ela seja com alguém ou mesmo idêntica ao seu irmão gêmeo, sabe-se que “Ela é ela” e não o outro. Ela é unicamente ela. Mas não uma única coisa. É um conjunto de coisas que formam um ser Único. É uma “Totalidade, o que significa partes inter-relacionadas e integradas compondo o ser que ela é. Isso equivale a dizer que o todo é mais do que a soma das partes. Portanto, “até aqui e onde se quer chegar designa uma pessoa concreta, existencial, o campo de atuação como expressão de uma totalidade humana. O que deve ser observado? O “Comportamento às respostas diante de uma situação”. Tais respostas são quaisquer movimentos que a pessoa faz e que possam ser observados ou registrados, onde se incluem as respostas verbais, escritas e orais.

A noção de comportamento se refere a “respostas a uma situação”. Cabe ressalvar que o termo “situação” pode se referir tanto a condições internas como externas à pessoa. Observar o comportamento, nesse sentido, é captar a sua linguagem, o que ele está expressando a respeito do Sujeito que o emitiu. A expressividade da “Gratidão” do porquê e o para que são considerados os motivos do comportamento. O motivo do comportamento de Samuel como de Paulo foi presenciar a “Fidedignidade de Deus”: “Até aqui o Senhor nos ajudou”. Quando o ano chega ao seu crepúsculo, se revê as cenas que durante neste período aconteceram, a “retrospectiva”, mas, aparecem também as “perspectivas” para um novo ano, aqueles exercícios que tentam antecipar o que vem pela frente.

A necessidade de “espiar” o futuro, independe de olhar para trás, “retrospectiva”, ou de olhar para a frente, “perspectiva”, mas é tempo de fazer uma “instrospecção”: “Até aqui ou Para onde”. É desafiador terminar o ano olhando para dentro de si mesmo, para seus pensamentos, desejos e sentimentos, e examinar quais são as motivações de continuar caminhando ao lado de quem o leva a viver como vive. É preciso avaliar o seu proposito para uma nova experiência de vida. Não existe outro caminho para crescer confrontando a si próprio. A estabilidade dos elementos estruturais de sustentação é a “Fidedignidade” de quem caminha ao lado.

Ainda existe tempo e vida para mudar a sua história. A mudança é a vida desabrochar em pleno. Examine o que aceitou, está aceitando e aceitará no futuro. No entanto, quando começar a contar para si mesmo uma história, verá o absurdo que pensa a seu próprio respeito, é somente depreciação. Mude automaticamente sua tragetória, traga à tona as imagens capacitadoras do seu imenso valor como ser humano. Disse Marcel Proust: “A viagem da descoberta consiste não em achar novas paisagens, mas em ver com novos olhos”. “Onde você quer chegar em 2017? “Tomou então, Samuel uma pedra, e a pôs entre Mispa e Sem, e lhe chamou Ebenezer, e disse: Até aqui nos ajudou o Senhor”.(1 Sm 7.12)

Por que, logo após uma vitória na batalha, Samuel escolheu uma pedra? Esta pedra de ajuda Samuel deu ao monumento que erigiu como marco da vitória concedida por Deus. “Marco de Vitória” e como um titulo de campeão de um torneio esportivo que, uma vez conquistado, nunca mais pode ser tomado, e todas as vezes que for olhado para o troféu ou medalha, a vitória sempre será lembrada. Agora é tempo de estabeleçer seus “marcos de vitória” de tal modo que ao olhar para tráz, você vai fazer uma retrospectiva e constatará que há em sua história perpectiva a ser conquistada. Faça um “Altar de Gratidão onde as pessoas lembrarão de quem caminhou contigo até aqui.

A vitória foi e sempre será desejada por todos, mas muitas pessoas tem dificuldades de superar conflitos, tem medo de encarar novos desafios, tem medo das mudanças, porque não desenvolveram a capacidade de se tornarem vitoriosos. Vencedores são líderes porque sempre haverá outras pessoas que o seguirão. Ninguém segue perdedores, mas os vencedores sempre serão exemplos a serem seguidos. Neste momento algo vai se romper, um novo ano vai nascer, e o tempo de afronta, perseguição, humilhação e opróbrio foram vencidos, e esta nova fase significa paz e tranquilidade. Deus é Fiel, e Ele continuará caminhando conosco, porque somente Ele sabe aonde precisamos chegar. Portanto, entre tantas lutas, somos mais que vencedores: “Até aqui nos ajudou o Senhor”. Feliz 2017.
Pra e Psicopedagoga; “MÔNICA DRUZIAN”

PSICOPEDAGOGIA ATRAVÉS DA PALAVRA
“NÃO DEIXE O AMOR MORRER”
Levantai, ó portas, as vossas cabeças; levantai-vos, ó entradas eternas, e entrará o Rei da Glória”. (Sl 24. 7)
A palavra “fim” faz a vida ser assustadora, mas também é ele, esse fim iminente, que faz com que a vida seja surpreendentemente preciosa. Cada minuto pode ser último, e a perspectiva do fim faz cada instante ser um mistério. Diz Paul Washer: “cada óbito, cada cortejo fúnebre, cada túmulo clama ao homem a deixar os cuidados fúteis deste mundo e meditar sobre a eternidade, a preparar-se para encontrar Deus”. A trajetória desta vida é tão fugaz, que o homem é incapaz de perceber à sua característica finita e transitória. Tudo pode encerrar a qualquer momento, mas muitos pensam que “o homem vale o que tem”. Por isso tratam o rico de um modo bem diferente daquele que tratam o pobre. O que se pode levar para a Eternidade? Somente o que o ser humano tem mais de precioso: “Sua Alma”. “Que aproveita ao homem, ganhar o mundo inteiro e perder a sua alma?” (Mc 8.36)

Antes que os montes nascessem ou que a terra se formasse, Deus já havia plantado o Seu Jardim Eterno. E, este Jardim é único em sua beleza circunstancial. Mas, existe um mundo onde todos estão de cabeça para baixo, onde o pó que o vento leva, como o dia de ontem que se foi, ou como os mistérios da noite, tudo é vaidade debaixo do Sol. É isso o que a brevidade, por fim, deveria dizer. Um sono, como a relva que floresce na madrugada e à tarde murcha e seca, como a neblina que aparece por instantes e logo se dissipa, entretanto, ninguém na face desta terra, saberá o que sucederá em sua vida daqui um segundo. A vida cá embaixo, é apenas mais uma hora após a outra e mais um minuto após o outro, e tudo é um rápido vôo. Se colocar fogo numa folha de papel, ela será apenas cinzas. Ninguém nunca viu cinzas voltar a ser papel. Portanto, o corpo é efemêro, e seu fim é o pó, mas a vida da alma é completamente diferente: “Louco, esta noite pedirão a tua alma”! “Lucas 12)

A Parábola do Rico Tolo é um espelho para todas as almas. Primeiro, ele cometeu o engano de pensar que era proprietário de sua riqueza: “Tudo é meu !” Segundo, ele não pensou nos celeiros vazios das pessoas mais humildes, e quis fazer um outro celeiro muito maior para suas sementes. Suas sobras teriam significado livramento para os pequeninos, mas ele só pensou em si mesmo. Este homem foi tão farto em suas colheitas que não tinha mais celeiros para recolher os seus frutos. Então, ele diz a sua alma: “tens em depósito muitos bens para muitos anos; descansa, come, bebe e regala-te”. Mas Deus lhe disse: “Louco, é preciso ser estúpido demais para colocar sua vida num celeiro!”O agricultor “bem-sucedido” esqueceu-se do tempo e da morte. Ele estava pensando em muitos anos, mas Deus lhe disse: “Nem mais um dia”. Sua riqueza ficou cá embaixo, pois, não há bolso numa mortalha. Assim como vieram, para lá retornam.

O dia do Advento é uma das passagens mais belas do Evangelho, o texto em que o Senhor fala de Sua Vinda:”Porque assim como o relâmpago, que sai do oriente e se mostra até ao ocidente, assim será também a vinda do Filho do homem”. (Mt 24.27) Coloque-se sobre seus próprios pés e medite neste versículo: “Nu deixei o ventre de minha mãe, e nu partirei da terra”.(Jó 1.21) Está escrito que ninguém levará nada para a sepultura. Ainda que por testamento decida levar jóias, dinheiro, objetos de uso pessoal; nada disso o acompanhará em sua jornada, pois ficará no túmulo, à disposição dos ladrões de cadáveres. Portanto, é preciso aprender a olhar o mundo como um peregrino, onde a passagem para a vida eterna será como um relâmpago. O relâmpago fala de rapidez: “num momento, num abrir e fechar de olhos”. “Como saiu do ventre da sua mãe, assim nu voltará, indo-se como veio. Nada tomará do seu trabalho, que possa levar na sua mão”. (Ecl.5.15)

Dizem os estudiosos que os relâmpagos são produzidos durante tempestades com nuvens, quando o campo elétrico se torna tão forte e intenso ao ponto de forçar uma descarga que produz um raio entre a nuvem e o solo. O relâmpago é um dos fenômenos mais bonitos da natureza, e também, um dos mais mortais.Todos sabem que o relâmpago é gerado em sistemas de tempestades carregados de eletricidade, mas a maneira como se dá essa carga, ainda permanece obscura. O relâmpago se apresenta à ciência como um de seus maiores mistérios. Sempre que se menciona algo veloz como o relâmpago, quase instantâneo, vem à mente o termo “piscar de olhos”. A vida cá embaixo passa com “ímpeto”. Tudo aqui termina com um movimento violento e repentino, algo inesperado que causa certo abalo ou forte agitação, cujo sinônimo de ímpeto é “arrebatamento”.Tudo é considerado como um grande fluxo: “Vem e Vai”.

Existe um mundo ideal, acima e além do mundo material, e nessa outra terra, as cores são muito mais puras e esplendorosas do que cá embaixo. As próprias montanhas possuem maior brilho e matizes mais belos, por sua nitides e intensidade. As pedras preciosas deste mundo inferior, não passam de minúsculos fragmentos dessas pedras das alturas. Nesta outra terra, não há pedra que não seja preciosa, nem exceda em beleza quaisquer das gemas. E, mesmo sucumbidos pela dor, nos momentos que a alma está dilacerada e esmagada, essa afirmação encerra uma profunda verdade psicológica; entre o Aqui e o Além, faz-se ao longo de uma estrada de dupla circulação. A porta da alma vem do céu e transporta a alma de volta ao Paraíso, e nessa harmonia, os opostos coincidem da mesma forma que o Princípio e o Fim, o Alfa e o Ômega, em um Círculo. O Caminho para baixo é o mesmo Caminho que conduz para cima.

Certamente, enquanto o rei Davi se alegrava e dançava ao conduzir a Arca, ele gritava em alto e bom tom: “Quem é este Rei da Glória? onde se seguia a resposta da multidão em procissão: “O Senhor dos Exércitos, Ele é o Rei da Glória”. Note que essa pergunta e resposta se repete por mais de uma vez, similar a entrada gloriosa de um General vitorioso na guerra em sua cidade. O hino era entoado Àquele que dava a Israel suas vitórias: “abram-se, ó portais, abram-se, ó portas antigas, para que o Rei da Glória entre”. O povo teria que enfrentar o medo e abrir as portas. Moral da história: quantas portas se deixa de abrir por medo de tentar? Aquele que adentrou era digno de Reverência, e a linguagem de se levantar a cabeça, é um reflexo do estado emocional de respeito para Alguém que está fisicamente esgotado. Um autor espiritual recorda que, para haver um sacrificio, é preciso fogo. Então, na cruz, donde pende o Cordeiro de Deus imolado, onde esta o fogo? O fogo é o proprio Espírito Santo, que no Calvario transforma toda dor de Cristo em amor.

São chamados Épicos as histórias que retratam a vida de um Herói. Épico é usado também para adjetivar um feito memorável, extraordinário, uma proeza, algo muito forte e intenso. O Herói Épico é geralmente um guerreiro que consegue superar seus objetivos em qualquer circunstância da vida. Quando a escuridão desce e a dor arranca um lamento do nada entre o silêncio da alma, quando a agonia se faz tão grande que o suor se transforma como gotas de sangue, o Herói Épico ultrapassa todas as barreiras, todos os obstáculos, todos os limites, para se tornar Protagonista da sua Grande Epopéia. Transpassado e perfurado de lado a lado, cruelmente flagelado, e com grande número de pancadas, Sua carne dilacerou em pedaços, até se lhe descobrirem os ossos e ainda não bastou. E, dolorosos espinhos hão de atormentar a Sua Sagrada Face. Mas, o Herói de todos os heróis ultrapassou seu próprio limite, e este fato, é na verdade um profundo balbuciar das carências profundas nas piores condições de flagelo de dor. “E sabe por que?”O Seu “Amor” foi incondicional. O valor de um presente de amor é avaliado de duas maneiras: o que o presente custa a quem o dá, e o grau de merecimento que se considera que o destinatário tenha. “Não deixe o amor morrer”! “”Eis que diante de ti pus uma porta aberta, e ninguém a pode fechar”. (Ap 3.8)
Pra e Psicopedagoga:”MÔNICA DRUZIAN”
Ref:
Estudo Perspicaz das Escrituras
AUSTIN, J.L.”The Meaning of a Word”.
PLotino-Filosofia
Portal Ciência & Vida.

“Guarda-me como à menina do olho; esconde-me debaixo da Sombra das Tuas Asas”. (Sl 17.8)
Uma visão de terna proteção fraternal é a imagem do Pai Pássaro. No Livro do profeta Sofonias, por exemplo, as Asas de Deus estão estendidas sobre o remanescente humilde de Israel. As asas de um pássaro se oferecem como abrigo de forma totalmente voluntário, por bondade e cuidado. É sob as asas que os filhotes estão salvos de predadores, do mau tempo, e abrigam-se, acolhidos, não conseguindo arrancar os múltiplos véus que cobrem a força protetora de um pai. Estar ligado à presença de Deus não é mais ligado a algo físico, mas sim estado de espírito. A figura da ave protegendo seus filhotes sob as suas asas, explica que, assim como a águia toma o filhote do ninho e o ensina-o a voar, protegendo-o com a própria vida, assim, o Aba Pai cobrirá seus filhos com a Sombra de Sua Asas. “Ele te cobrirá com as Suas Penas, e debaixo das Suas Asas estarás seguro; a Sua fidelidade será teu escudo e broquel”. (Sl 91.4)

O objetivo deste texto, é que o leitor tome seu olhar e, analise para algo concreto do significado de”Imagem”. Os seres do mundo exterior são revelados à consciência por intermédio dos sentidos, por meio de sensações e percepções. Estas formam-se enquanto o objeto está presente aos sentidos e desaparecem com ele. Porém, nem tudo se apaga da consciência. As percepções deixam nela qualquer coisa de si mesmas, estados psíquicos a que se chamam de “Imagens”. Uma imagem é a representação visual de um objeto, como sendo projeção da mente. O olho é responsável por projetar as imagens capturadas na retina, um tecido que tem células que convertem a luz em impulsos nervosos que, em última análise chegam ao cérebro em forma de associações. O que se recorda e se fixa são os fenômenos psíquicos. Na fixação a memória fixa os estados de consciência que significa acima de tudo estar ciente. Mas, a psique é bem mais que a consciência. As imagens são transmissoras de mensagens, conceitos e informações.

Mídia consiste no conjunto dos diversos meios de comunicação, com a finalidade de transmitir informações e conteúdos variados. O universo midiático abrange uma série de diferentes plataformas que agem como meios para dissiminar as informações, como os jornais, revistas, a televisão, o rádio e a internet, por exemplo. Com a chamada “mídia alternativa”, assuntos que outrora eram ignorados, passam a ser discutidos nas plataformas online, principalmente através das redes sociais. Não são os maus pensamentos, mas o consentimento de um “olho mau” que espalha maledicência e difamação através das Imagens. A imagem de maledicência é um ato injusto. A difamação é um abalo moral do outro, atua contra a chamada honra objetiva de uma pessoa, que é sua reputação. Algumas palavras que são sinônimos de difamação: desonra, fofoca, ultraje, maledicência, e tem origem nas fontes do mal. Qual é a causa da difamação da imagem do outro? Julgar através das aparências, e pensar mal de alguém, fazer mau juízo, é fruto da iniquidade, fruto da natureza carnal.Por isso a Bíblia diz:”Não julgueis pelas aparências”. (Jo 24.8.15)

A difamação de uma mulher com hemorragia, espalhou a contaminação do veneno da maledicência dos próprios julgadores. Ela não podia tocar em nada porque era considerada imunda. Mas, não foi o seu sangue o motivo do repúdio. A sua rejeição foi imposta por pessoas capazes de julgar maleficamente. Em vez de reconhecer a trave nos seus próprios olhos, os acusadores se esqueceram dos “agueiros nos seus próprios olhos”. E, a vida daquela mulher, por doze anos, ficou intolerável pela difamação. Em angústia melancólica, foi açoitada por tempestades de desespero, jogada fora do convívio familiar, e foi-lhe negada até mesmo a esperança da existência como cadáver. Seria reduzida a cinzas, levadas pelas chuvas e lavadas nas sarjetas, uma chocante sensação sufocante de morte. Sofreu injustamente pela maléfica maldade que denegriu sua imagem. Mas, ela não desistiu de lutar pela sua própria vida. Então, ela viu uma possibilidade de um novo futuro. De esperança e fé ela buscou proteção debaixo das Asas do verdadeiro Protetor. As nuvens de melancolia que enchiam sua alma, renderam-se à Sombra do Onipotente. E, no brilho Daquele olhar virtuoso, pequeninas chamas de incentivo, fez com que estancasse a hemorragia. Um Olhar de misericórdia sara qualquer ferimento.

Na casa de Simão, difamaram entre si a mulher que lavou os pés do Senhor Jesus Cristo com suas lágrimas e enxugou com os cabelos. Mas, não é pela difamação, mas pela apreciação e pelo encorajamento que se cria o incentivo pela vida. Num mundo em rede, conectados com o universo, a maior necessidade do homem, é aprender a pensar no bem em sua visão de mundo. A psique é lugar de produção do conhecimento, de construção de valores, de organização dos pensamentos. O escritor Charles Spurgeon diz um comentário à respeito do Salmo 17, v.8 : “parte alguma do corpo é mais preciosa, mais delicada e mais cuidadosamente guardada do que os olhos, e a parte dos olhos, é a parte central, a pupila, ou a menina dos olhos”. Estão cercados por ossos que protegem como os Montes de Jerusalém. Além disso Seu grande Autor os circuncidou com muitas túnicas interiores, além dos cercados que são as sobrancelhas, as cortinas que são as pestanas e as cercas que são as pálpebras. Por isso, os olhos são considerados as janelas da alma.

Os mais íntimos segredos físicos se descobrem ao contato com um olhar. Porém, nenhum estudioso do comportamento, pode desvendar os segredos que estão na psique humana. Portanto, é preciso encarar como “perigo”pessoas que levam a alma cativa, deixando-a presa. A Bíblia diz: “Acautelai-vos”!(Cl 2.8) Muitas pessoas ficaram amarradas e escravisadas diante de um ressentimento. Estão presas, e não conseguem sair do passado. São apenas o reflexo no corpo de uma luta mental não resolvida satisfatoriamente. Conflitos significa lutas que se convertem em um verdadeiro campo de batalha. Portanto, o motivo impulsor está oculto, e a maledicência recebida faz a alma adoecer. Acautelai-vos do homem perservo que espalha contendas, e cria confusão para difamar e destruir vidas. A Bíblia diz que, “a lâmpada do corpo são os olhos. Se teus olhos forem bons, todo o teu corpo terá luz”. Se, porém, os teus olhos forem maus, o teu corpo será tenebroso. Se, portanto, a luz que em ti há são trevas, quão grandes serão tais trevas!” (MT 6.22,23)

O cuidado e a proteção que a galinha tem com seus pintinhos é de uma apreensão instantânea tão grande, que parte alguma é mais fielmente cuidado. Atreva-se a mexer nos pintinhos com sua mãezinha por perto! Logo nos primeiros dias, quando os pintinhos deixam as cascas, os filhotinhos são alvos de aves de rapinas como carcarás e outros animais como cobras, lagartos. A galinha desenvolve um carcarejo e quando percebe qualquer perigo aos filhotes ela faz esse barulho, e todos os pintinhos correm para baixo de suas asas. O Senhor Jesus Cristo usou a galinha como uma analogia: “Jerusalém, Jerusalém, que mata os profetas, e apedrejas os que te são enviados! Quantas vezes quis Eu ajuntar os teus filhos, como a galinha ajunta os seus pintinhos debaixo das asas, e tu não quiseste!” (Mt 23.37) O contexto histórico mostra uma alma sendo esmagada por sentimentos destrutivos, porém, o Senhor Jesus Cristo disse na cruz: “Pai, perdoa-lhes porque eles não sabem o que fazem”.

Quando Davi ilustra com a figura da “menina dos olhos”, ele estava, na verdade, pedido ao Senhor que sua vida fosse guardada do mesmo modo como a pupila dos olhos é protegida pelas pálpebras. Os caluniadores oprimiam a vida de Davi com ameaças constantes. Mas Davi, corre para debaixo das Asas de Deus e descansa. Como um pintinho, o salmista está protegido das garras do destruidor, tal qual uma pupila, que significa a imagem da pessoa que fica em frente. O reflexo de uma pessoa se reflete nos olhos da pessoa que fica em frente. Quando uma pessoa olha bem de perto nos olhos de alguém, ele enxerga a sua própria imagem. Se estiver bem próximo do outro, verás o seu próprio reflexo. “Aquele que tocar em vós toca na Menina dos Meus Olhos”. (Zc 2.8) Mas, no homem carnal, na alma vivente, a própria pessoa é o centro de sua vida. Tudo se volve ao redor de si próprio, do seu ego. No espírito vivificado, o homem torna-se moralmente semelhante, une-se, vive, habita e existe no próprio Deus. Disse o apóstolo Paulo: “Não sou eu que vivo, mas Cristo vive em mim”.

Quando Deus se manifestou em uma sarça e a sarça não se consumia em um deserto miserável e seco, Deus disse: Não Vou mais com você! Moisés, então disse: Se a Tua Presença, não for comigo, eu não irei. Disse Deus: Mandarei um anjo. Moisés disse: não quero! Tudo o que eu quero é o Senhor! “Se Tu mesmo não fores conosco, não nos faças subir daqui. E Deus disse a Moisés: Irá a Minha Presença contigo, para te fazer “descansar”. (Ex 33.15) O Espírito Santo de Deus vem como a analogia da galinha. Mesmo num deserto de escassez, se tem maná e codornizes do céu; mesmo num deserto árido, se tira água da rocha; mesmo num deserto onde se tem cobras infernais a picar, há o milagre da cura; Deus abre o mar, e Sua Presença faz a vida ir além das circunstâncias adversas e ruins. Disse Deus: “Irá a Minha Presença contigo!”Ele disse ao apóstolo Paulo: “A Minha Graça te basta”. O Espírito Santo não pode ser arrastado pela força dos bois, dos cavalos ou dos jumentos. Sua Graça é carregada pelos verdadeiros adoradores. “Disse Jesus: Eu Estarei sempre convosco até o fim dos tempos”. (Mt 28.20)

Em Gênesis 1.26 está escrito que o homem foi feito à “imagem e semelhança” de Deus. Analisando o texto original em hebraico, se tem uma ideia do que significa ser feito segundo a “imagem” de Deus. A palavra “imagem” em hebraico é “tselem”, que significa “sombra”. Assim, poderia-se entender a expressão “feito a imagem de Deus como “feito à sombra de Deus. Sombra significa lugar de refrigério, de descanso, de proteção. Os israelitas caminharam debaixo desta Sombra pelo deserto. Assim, o apóstolo Paulo escreve que o corpo de todo filho é o tabernáculo de do Seu Pai. “Não sabeis que sois santuário de Deus e que o Espírito de Deus habita em vós?” (1 Co 3.16) O texto Bíblico também diz claramente: “Edificarei a Minha Igreja e as portas do inferno não prevalecerão contra ela”. (Mt 16.18) Portas do inferno são tempestades que assustam, amedrontam, intimidam, apavoram, e não é fácil vencê-las. Mas, aquilo que aos olhos humanos não tem solução, é exatamente a especialidade dos Olhos de Deus, para dar direção de dia e proteção à noite. “Só vou se Tua Presença por comigo”. “À Sombra das Tuas Asas me abrigo”. (Sl 57.1)
Pra e Psicopedagoga:”MÔNICA DRUZIAN”

Ref:
JUNG, C.G.- A Natureza da Psique.
Dicionário Crítico de Teologia

PSICOPEDAGOGIA ATRAVÉS DA PALAVRA
“QUANDO A LUZ INVADE AS TREVAS”
“Mas amados, não ignoreis uma coisa: que um dia para o Senhor é como mil anos, e mil anos como um dia”. (2 Pe 3.8)
Ano-luz é uma unidade de medida utilizada para calcular distâncias no espaço astronômico, ou seja, onde se encontram os planetas, as estrelas, os cometas, etc. As distâncias entre os astros são gigantescas, então, para se medir as imensas dimensões do Universo, é necessário a aplicação de uma unidade de medida especial: o Ano-luz. A Velocidade da Luz é de 3000.000 quilômetros por segundo, portanto, um segundo-luz é igual a 300.000 quilômetros, sendo que com esta velocidade seria possível dar oito voltas ao redor da Terra. A luz de algumas estrelas leva anos para chegar até o planeta terra, por isso as distâncias entre as estrelas são medidas pela unidade chamada Ano-luz. Astronomia é a Ciência que estuda todos os corpos celestes do Universo. A chave deste Universo está nas mãos do ser humano. Entrar em ação para reinar e governar sua própria vida com uma mente renovada, depende da disposição de buscar algo para a frente, como a velocidade da Luz.

Disse Jesus: “Eu Sou a Luz do mundo: Quem Me segue não andará em trevas, mas terá a luz da vida”. Quando o Senhor Jesus Cristo falou estas palavras Ele estava no pátio do Templo, especialmente relacionado com os serviços religiosos da Festa dos Tabernáculos. No centro deste pátio erguiam-se dois altos pilares sustentando suportes de lâmpadas de grandes dimensões. Depois do sacrifício da tarde, acendiam-se todas as lâmpadas que derramavam luz sobre Jerusalém. Esta cerimônia comemorava a coluna luminosa que guiara Israel no deserto e era também considerada como apontando para a vinda do Messias. À noitinha, quando se acendiam as lâmpadas, o pátio apresentava uma cena de grande alegria….Na iluminação de Jerusalém, o povo exprimia a sua esperança na vinda do Messias, para espalhar a Sua Luz sobre Israel. Mas, a Luz do mundo já estava a brilhar ao lado deles, e lhes disse: “Vós sois a luz do mundo”.

A Terra era sem forma e vazia. E Deus disse: “Haja Luz ! E houve luz… Houve tarde e manhã e foi o primeiro dia. (Gn 1.3,5) Naquele primeiro dia não houve luz do sol ou da lua. Eles não foram criados senão no quarto dia. Mas havia luz. Tudo o que está escrito na Bíblia tem um propósito. O Senhor Jesus Cristo ensinou que o cristão deve buscar a verdade, meditar na Sua Palavra dia e noite, pedir revelação, discernir os espíritos. É preciso renunciar o mundo de trevas e deixar a Luz penetrar no interior. O “Haja Luz” foi dito por Deus no primeiro dia da criação. O Haja luminares, para alumiar a terra, foi dito no quarto dia da criação. No versículo 4, Deus faz separação entre a luz e as trevas. Está entendido que, antes que Deus dissesse: “Haja Luz”, a situação inicial era de trevas. Portanto, a partir do momento em que a Luz foi manifestada, “algo” permaneceu em trevas. Muitas pessoas estão estagnadas na forma de pensar. Existe um desiquilíbrio entre forças conservadoras e progressistas. Que bom quando existe renovação, avanço, quando o Velho auxilia e dá o lado para entrar em campo o Novo.

O que é Trevas não pode ser alterado pela Luz. O que tem na essência existencial as Trevas, jamais será ou terá Luz.Deus ordenou que houvesse a separação entre a Luz (do Haja Luz), e as Trevas ( que já existiam) mas, essas Trevas não foram alcançadas, não foram envolvidas e agraciadas pelo Haja Luz; tanto que, a Luz do Haja Luz, Deus chamou Dia (v.5) e, o que ainda permaneceu em Trevas, chamou Noite (v.5), encerrando o versículo, confirmado que era o primeiro dia da criação. Na Bíblia, há situações específicas e especiais onde a palavra “Dia” está escrita com a inicial “D” maiúscula. Agora, no quarto dia da criação, v.14, Deus disse: “Haja luminares na expansão dos “céus”, para haver separação entre dia e a noite…”, e complementando no v.15 diz: “E sejam para luminares na expansão dos céus, para alumiar a terra…, repetindo essa ordem no v.17,…”para alumiar a terra”. O sol emana luz própria, a lua, reflete a luz do sol para alumiar a terra. O Dia e a Noite do primeiro dia da criação são distintos do dia e da noite do quarto dia da criação.

Para a parte que permaneceu em Trevas onde/ no qual a Luz do Haja Luz não opera, Deus criou os luminares e, através desses luminares procedeu à outra separação entre dia e noite (com iniciais minúsculas). Portanto, o que é Trevas não pode ser alterado pela Luz. O que tem na essência existencial as Trevas, jamais será ou terá Luz. Mas, afinal, onde está a Luz do Haja Luz? Está acima da expansão, no Céu de todos os céus. O que é expansão? A expansão são os céus. O sol está na expansão de um céu, não acima da expansão. Se o sol estivesse acima da expansão, ele não poderia inclusive iluminar a terra que está abaixo da expansão. No primeiro dia da criação, a separação Dia e Noite corresponde aos dois únicos reinos existentes: Reino dos Céus e Reino das Trevas; Reino do Dia e Reino da Noite; Reino do outro mundo e Reino deste mundo; abaixo da expansão e acima da expansão; águas acima da expansão e águas abaixo da expansão. A expansão “ceu” separa os Reinos. A expansão “céu” separa os mundos. Palavras do Senhor Jesus Cristo: “O Meu Reino não é deste mundo”. (Jo 18.36) “Enquanto Estou no mundo, Sou a Luz do mundo”. (Jo 9.5)

Ao se falar em renovação e transformação, algumas questões devem ser colocadas: Renovar e transformar o quê? Torna-se fundamental que todos os cristãos da proposta, busque resgatar a essência do cristianismo. Quando uma pessoa não é capaz de renunciar a si mesma, ou que não é capaz de encontrar a sua própria identidade, falta autenticidade na concretização do processo, e perde-se o compromisso dos propósitos para serem atingidos. Hoje, o Senhor Jesus Cristo continua neste mundo, através das vidas dos verdadeiros filhos da Luz. Segundo o dicionário Aurélio da Lingua Portuguesa…a palavra “renúncia” significa literalmente desistir de algo, abdicar, recusar, etc.A primeira marca de um cristão é a Renúncia. Em grego para definir a palavra “renúncia”; significa despedir, abandonar, deixar. Citado pelo Senhor Jesus em Lucas 14.33 “assim, pois, todo aquele que dentre vós não “renuncia” a tudo quanto tem não pode ser Meu discípulo”. Em latim renuntiare significa abdicar do uso de um direito ou de posse legítima de qualquer coisa, ou seja, “sacrificar-se”. O Senhor Jesus explica o paradoxo do discipulado como: perder a vida é encontrá-la; morrer é viver. Então, “Tomar a cruz” não significa apenas suportar a dor, mas “renuciar o ego”, a carne, o ódio, a contenda, a maledicência da competição, o orgulho, a inveja,etc.”Se alguém quiser acompanhar-Me, renuncie-se a si mesmo, tome diariamente a sua cruz e siga-Me”. (Lc 9.23)

O trem das Trevas no qual todos viajam vai para a morte. Sobre isso, ao menos, não há dúvida. O “Eu” natural, sendo mortal, está destinado a terminar. O que o Evangelho propõe é renunciar este trem da morte e subir no outro que conduz à vida. Portanto, está claro que negar-se a si mesmo não é uma operação autolesionadora e renunciadora, mas o golpe de audácia mais inteligente que se pode realizar na vida. A vida está neste mundo, mas não pertence a este Reino. Dizia Kierkegaard: “dois jovens se amam. Mas pertencem a dois povos diversos e falam duas línguas completamente distintas. Se seu amor quer sobreviver e crescer, é necessário que um dos dois aprenda o idioma do outro. Caso contrário, não poderão comunicar-se e seu amor não durará”. A Treva da morte existe neste mundo segundo o poder do príncipe das potestades do ar, mas o Senhor Jesus Cristo é a Luz no mundo. O Messias é a única “Vida” real que foi Gerada quando Deus disse: “Haja Luz”. Com o Filho de Deus, nascendo em forma humana, nasce também, o “Reino dos Céus na terra. Quando se renuncia o mundo das trevas, naturalmente se nasce para este Reino de amor. Por isso, renunciar-se a si mesmo é aprender a língua de Deus, saber expressar o verdadeiro amor, o Ano-luz do Reino que invade a Terra.

Um bom Mestre precisa se comprometer com a sua visão educacional para poder desenvolver o seu trabalho eficientemente, contribuindo com o crescimento de seus alunos. Nesse sentido limitado, vale mais até aquele professor tradicional que se utiliza de métodos considerados ultrapassados mas vocacionado para a sua missão, do que aquele que, embora usando técnicas modernas de ensino, não sabe ao certo o que está fazendo. Qual o compromisso dos propósitos para serem atingidos? O que se vê, hoje em dia, é que, na busca indiscriminada do recorde, do primeiro lugar, da vitória pelo Ibope, às vezes se ganha a competição e perde-se vidas. Não é preciso muita reflexão para perceber que a busca de tais objetivos não se tem constituído em prioridade o compromisso de atingir a Salvação. Todo o sacrifício da cruz consiste em, conduzir os cidadãos da terra dos homens para o Reino Prometido. Dentro desse cenário e dessa ótica, percebe-se que a humanidade não possui luz própria. O ser humano não é semelhante ao sol, mas à lua. Por isso, o homem só pode refletir a Luz do “Haja Luz”, Jesus Cristo, que ilumina o mundo.

Amizade verdadeira é aquela que ambas as partes preocupam-se e zelam pela outra pessoa, independente da situação, do momento. A própria Bíblia cita a forte amizade entre Jônatas e Davi. “Sucedeu que, acabando Davi de falar com Saul, a alma de Jônatas se ligou com a de Davi; e Jônatas o amou como à sua prórpia alma. Saul, naquele dia, o tomou e não lhe permitiu que tornasse para casa de seu pai. Jônatas e Davi fizeram “aliança”; porque Jônatas o amava como à sua própria alma”. (1 Sm 18.1,3) O texto diz que a alma de Jônatas se ligou com a de Davi; e Jônatas o amou como à sua própria alma. A palavra “ligou”ultrapassa um compromisso de um relacionamento amoroso entre homem e mulher. Esta união simboliza o amor do Senhor Jesus Cristo da Nova Aliança. Jônatas e Davi tinham uma aliança dos céus: Disse Jônatas a Davi: vai-te em paz, porque juramos ambos em Nome do Senhor, dizendo: o Senhor seja para sempre entre mim e ti e entre a minha descendência e a tua. Então, se levantou Davi e se foi, e Jônatas entrou na cidade”. (1 Sm 20.42,43) Os dois tinham uma fé simples no poder e na atuação de Deus. Jônatas como uma figura “tipológica” do próprio Senhor Jesus Cristo, estava preocupado em implantar o Reino dos Céus.

Jônatas não foi ciumento, invejoso ou deixou que o ódio entrasse em seu coração. Se Deus não tivesse nomeado Davi como rei, o próprio Jônatas seria rei depois da morte de Saul. Mas o príncipe não mostrou tais atitudes. Ao dar seus trajes oficiais e suas armas, Jônatas colocou Davi com reconhecimento do Trono. Jônatas foi capaz de “renunciar” a si mesmo, de negar seu reinado por amor ao próprio Deus. O grande compromisso de luta, está na concepção caracterizada como um projeto organizado capaz de agir coletivamente, elevando o ser humano a melhores níveis existenciais pelo movimento de uma mudança radical no modo de existir das pessoas. Conscientização significa a transformação do sentido da própria existência. Sem esta renúncia é impossível qualquer mudança de vida, sem ser capaz de conceber um Reino Celeste, muitos humanos estão condenados à Terra. Naquele simples encontro de almas, na troca recíproca de uma espécie de energia que fluía naturalmente entre dois corpos humanos, Jônatas e Davi perceberam o verdadeiro significado do amor incondicional pelo ser humano. A importância do processo de reflexão em comunhão com as ações que define um Reino de Luz.

O apóstolo Pedro escreveu: “um dia para o Senhor é como mil anos, e mil anos como um dia”. O Senhor não retarda a Sua promessa. Com Deus, o tempo não condiciona o que Ele disse que iria fazer. É tempo de despertar do terrível estupor o qual está a envolver o povo de Deus. Não há como os resultados de sua ação não recaírem sobre si mesmo. A Utopia em seu sentido vulgar é entendida como um sonho impossível. Algo irrealizável, fruto da imaginação apenas do ser humano. Uma simples projeção de imagens e ideias. Em princípio, seria algo que não está presente aqui e agora. Quando se coloca à frente algo a ser perseguido se está diante de um projeto Utópico. Aliás, todo projeto é sempre uma utopia, ou seja, é algo que ainda não existe. Quanto mais claro e elaborado for esse projeto, mais força reune-se para direcionar as ações na consecução de uma meta. Portanto, sonhar apenas não é suficiente. É preciso agir. Mas agir em direção aos objetivos, sobretudo, ter finalidades, e, somente um projeto levado às suas últimas consequências práticas, será capaz de fazer o Sol da Justiça brilhar. A Luz do mundo fornece o Verdadeiro Óleo para as lâmpadas humanas e diz: “Haja Luz”. Assim, somente neste derramar do Espírito Santo, a Luz invadirá as trevas. “Disse Jesus: Eu Sou a Luz do mundo”.
Pra e Psicopedagoga: “MÔNICA DRUZIAN”

Ref:
Blues To The Lorde- Church-Estudos Bíblicos Evangélicos.
Revista Land MarkesLawrencen Nelson
Otaviano Pereira- O que é Teoria.

“Busquei ao Senhor e Ele me acolheu; livrou-me de todos os meus temores”. (Sl 34.4)
Se abrir os olhos ao cachorrinho antes de passar certo número de dias ele ficará cego. Morre o pintinho se lhe quebrar a casca do ovo alguns momentos antes do tempo próprio. Uma flor não desabrochará se forçar o botão a brir-se antes do tempo. Mas, se souber deixar que tudo aconteça no tempo apropriado, todos os eventos serão para o bem. Já viu que é um mal romper a placenta de uma gestante antes do tempo. Seria também um mal gravíssimo ensinar sexo para uma criançinha, pois, naturalmente, no tempo certo, ela viria a saber tudo, naturalmente, porque isto faz parte do plano divino. Porém, o saber cedo demais sobre as coisas da vida, poderia ser a causa, não do uso, mas o abuso que traz o mal físico ao ser humano. Certamente, se a humanidade fosse libertada do “esgotamento”, desapareceriam muitos males que a fazem sofrer. Portanto, forçosamente, pais tentam justificar uma atitude de hábitos imperfeitos.

A forma mais comum da estafa é a “fádiga” mental. Caracterizada pela alteração do Sistema Nervoso Central, ocorre em função do excesso de responsabilidade e tensões acumuladas que provocam um desgaste metabólico e mental muito grande. A estafa mental é muito mais grave do que a física, porque tende a causar danos psicológicos e físicos. Estafa e estresse são problemas diferentes. A fadiga ou estafa é um sintoma do estresse, mas não a sua causa. O grau de irritabilidade e da dor sentida nas crianças e adolescentes, é sinal de energia emocional que não consegue saída, e pode desviar-se para os órgãos internos do corpo, causando uma compulsão incontrolada por comida. O propósito da energia emocional é permitir ao ser humano realizar ações que lhe ajudarão sobreviver, propósitos que se valem da atividade muscular. Em cada pessoa surgem emoções a toda hora. A memória funciona de tal forma que os estímulos que tiveram lugar no dia anterior podem provocar hoje a energia emocional. Se, por uma razão ou por outra, não se usa essa energia emocional em alguma atividade, ela não desaparecerá, nem se dissipará, mas, desiquilibrará todas as funções sistêmicas.

É uma lei de física que “a energia não desaparece; continua acumulando-se, aumentando sua carga até alcançar tais proporções que exige a descarga”. O desejo de realizar qualquer objetivo representa energia. Quando se afasta de uma meta, essa energia não desaparece. Se é uma energia autêntica, adquire mais vigor porque se lhe nega uma saída. De um modo geral, se não conseguir realizar um desejo fundamental, busca-se consciente ou inconscientemente, um substituto que satisfaça o impulso interior. Porém, muitas crianças e adolescentes têm saciado esta satisfação em direções errôneas. Quando se usa a palavra “hábito”, numerosas ideias se apresentam. Em primeiro lugar está a “noção de repetição”. Outra noção da palavra “hábito” é “automatismo”. Sob certo ponto de vista, a vida consiste em aprendizagem e formação de hábitos. Geralmente, uma pessoa de êxito é a que tem formado hábitos úteis de pensamento e de ação. Porém, muitas pessoas, por não terem formado bons hábitos, não sabem enfrentar problemas. Uma criança ainda não conhece o mundo dentro dela mesma, que é vasto, e conhecer este poder, denomina-se “consciência própria.

Uma criança que escuta um alarme de incêncio interrompe seu brinquedo, se excita (emoção), imagina toda sorte de coisas (fantasias) e não volta ao brinquedo por muito tempo. Um adulto normal e são, pode levantar da cadeira momentaneamente, porém, tão logo dá conta de que o incêncio não é por perto, volta, “por hábito”, ao trabalho que tinha em mãos. Uma pessoa neurótica ou nervosa se conduz como a criança, não apenas com respeito a alarmes de incêndio, mas de um modo geral, em todas as situaçõe em que entra a emoção. Uma situação emocional fará a um neurótico suspender a ação afetiva por muito mais tempo que uma pessoa normal. Muitas pessoas são levadas a contar seus queixumes a quantos estiverem dispostos a escutá-las. Isso as torna incrivelmente indesejáveis. Uma coisa é o hábito de desfilar misérias, e outra é a procura de conselhos em momentos de dificuldade. O lamuriento contumaz não está à procura de conselhos. Ele quer chamar a atenção sobre si e o meio que escolhe é despertar compaixão.

Quando se lavam os olhos de uma criança, recém-nascida, suas pálpebras se fecham automaticamente. Suga o seio imediatamente depois de nascer. Engole, se lhe colocam líquido na boca. Porém, tem que aprender a segurar a vasilha, a caminhar, a falar. Assim, pode-se dizer que os reflexos se herdam, mas os hábitos se aprendem. A direção própria em Deus é uma benção absoluta. Isto já é uma providência tomada por Deus. A lei que proíbe o furto é uma providência tomada pelo governo para evitar o latrocínio. A providência de Deus, portanto, não tem por fim único proteger o bom, nem tampouco destruir o mau, mas as providências Dele são para todos. Se por um pouco considerar a direção própria no homem, adquire-se ideia mais perfeita da glória e da sublimidade da direção própria de Deus. O poder que tem o homem de dirigir-se é naturalmente limitado. A direção própria no homem não é absoluta. Há muitas circunstâncias exteriores que influem nos seus atos e na direção que dá à vida. Não se deixa dirigir pelo conselho dos ímpios. (Sl 1.1)

Metade das preocupações existentes no mundo é causada por pessoas que procuram tomar decisões antes de ter conhecimento suficiente no qual se baseia uma decisão. Ocupar-se antes desencadea doenças, e a probabilidade de perder a serenidade, a paz de espírito, faz surgir a estafa, que inibe a capacidade de raciocinar, provocando: Hipertensão Arterial (pressão alta); Doenças emocionais ( ansiedade, pênico e fobias); Doenças Gastrointestinais (colite, gastrite e úlcera); Doenças do Coração( arritmia, angina e infarto). Pode-se dizer que o excesso de demanda da química necessária para manter o corpo e a mente ativados se “esgotam” em algum momento, alerta Sergio Kiepacz, psiquiatra do Hospital Samaritano de São Paulo. Ele explica que essa química é composta por hormônios e neurotransmissores como cortisol ( um dos grandes responsáveis pela preparação do organismo para os enfrentamentos dos desafios do dia a dia e das situações de perigo) e noradrenalina (neutransmissor responsável pela sensação de motivação e também da atenção). Vários estudos mostram queda nessas substâncias durante esses períodos de “estafa”. “Entrega o teu caminho ao Senhor, confia Nele e Ele tudo fará”. (Sl 37.5)

Os pesquisadores afirmam que o “esgotamento Mental” pode ser até mesmo mais grave do que o físico, pois pode causar danos tanto corporais como emocionais. Outro perigo é que muitas vezes o esgotamento é ignorado; então o cansaço se acumula e as consequências se agravam. A palavra esgotar traz em si a idéia de uma redução. Quase nem se percebe quão séria é a atividade do esgotamento, mas o resultado final é que nada sobra. O esgotamento é a remoção total de um líquido, ou seja, estado de grande cansaço físico ou psíquico provocando a “exaustão”. Portanto, esgoto é lugar onde a maioria das pessoas jogam lixo e também onde todos os lixos vão parar, relacionando as palavras em um estado de desordem mental. Tem-se muitos exemplos de homens que são dirigidos: o alcoólatra é dirigido pelo apetite de beber; o jogador, pelo lucro vil; o adúltero, pela paixão; o assassino, pelo ódio; e assim todos estes e muitos outros estão escravizados e subjugados pelos vícios. Um fumante, por exemplo, depois de escravizado pelo fumo, só poderá fazer a escolha da qualidade do cigarro que quer fumar. A vontade é perfeitamente livre só quando a pessoa escolhe a direção própria. Ninguém pode viver só absorvendo o ar, e nem tampouco expelindo-o, é um duplo processo. A vida consiste em respirar, isto é absorver e expelir o ar ao mesmo tempo. O princípio fundamental pela destruição da vida, é a morte.

A vida da Videira é muito maior do que a vida de uma videira. Quanta vida de videira há? Quanta vida há envolvida numa só Videira? Se o mundo todo se enchesse de videiras, esgotar-se-ia a Fonte de Vida dessa planta? Claro que não. Haveria, certamente, vida para todos quantos aparecessem e ainda para muitos mais. A Vida da Videira é muito maior que a vida de uma videira. O grande meio da Revelação da Videira é a vida de uma videira. Um dos principais conselhos da higiene mental se encontram nessas palavras: “conhece-te a ti mesmo”. Pelo menos,é importante conhecer profundamente os motivos que estão desencadeando a ansiedade, a inquietação, a infelicidade, etc., muitas vezes esses sofrimentos têm sua origem em conflitos não encarados. Conflito significa luta. Um conflito mental é uma luta entre tendências opostas da mente, que se oprimem mutuamente. A borboleta, naturalmente, sente, quando ainda em desenvolvimento, que deve haver apoio em suas asas, mas somente quando abandona o casulo, é que põe as asas à prova e experimenta que o ar corresponde à sua capacidade de voar. O modo mais prático de eliminar qualquer dúvida é experimentar a verdade. O ato de uma lagarta virar borboleta é sobrentaural para aquele que o aprecia, e não para quem o pratica.

De acordo com o Dr Selye cada pessoa vem ao mundo com uma reserva fixa de energia de adaptação. É uma espécie de “capital” ao qual o ser humano recorre quando as condições o exigem. O envelhecimento seria o resultado dos contínuos saques contra essa reserva; uma vez que ela se esgota, sobrevém a morte. Por outro lado, o “stress” ou tensão não é sempre prejudicial. A tensão moderada é boa para todos. De fato, ela é tão essencial quanto inevitável. Enquanto a tensão for uma força revigorante que ajuda a pessoa se adaptar aos desafios e mudanças da vida, ela se torna antes um meio de lhe trazer harmonia do que prejuízo. Como o carvalho que de humilde semente se transforma em árvore gigantesca, atingindo o seu pleno desenvolvimento, assim deve crescer o homem, gradualmente, neste longo processo de tornar-se santo. E, como não é justo julgar um carvalho de um ano, por outro de um século, não é também justo que se julgue um homem, em qualquer época de sua vida, por não haver atingido o seu amadurecimento emocional. Tenha por hábito manter-se sempre alegre. A razão da infelicidade de Alcebíades, é que, onde quer que ele vá, leva consigo Alcebíades. A alegria, sendo algo cuja fonte jaz no interior do homem, está à disposição de todos, desde que decida fazê-la jorrar.

Eis como o próprio apóstolo Paulo descreve suas experiências: “Cinco vezes recebi dos judeus uma quarentena de açoites menos um; fui três vezes fustigado com vara, uma vez apedrejado, em naufrágio três vezes uma noite e um dia passei na voragem do mar; em jornadas muitas vezes, em perigos de rios, em perigos de salteadores, em perigo entre patrícios, em perigos entre gentios, em perigos na cidade, em perigos no deserto, em perigos no mar, em perigos entre falsos irmãos; em trabalhos e fadigas, em vigílias muitas vezes; em fome e sede, em jejuns muitas vezes; em frio e nudez. Além das coisas exteriores, há o que pesa sobre mim diariamente, a preocupação com todas as igrejas”. (2 Co 11.24,33) E, depois de tudo isso, longe do apóstolo missionário dos gentios, se tornar um indivíduo amargo e mal-humorado. Paulo estava motivado por gratidão. Entre todas as emoções, mais que qualquer outra, ser agradecido condiciona a ausência ou a presença de tensão nas relações humanas. O apóstolo Paulo deixou um versículo que deve ser gravado em todas as mentes: “Aprendi a viver contente em toda e qualquer situação”. (Fp 4.11)
Pra Psicopedagoga:”MÔNICA DRUZIAN”

Ref:
Prof Alberto Montalvão-Moderna Enciclopédia de Relações Humanas e Psicologia Geral.
A.B.LANGSTON-Esboço de Teologia Sistemática.

“O DIAMANTE SOU EU”
“Põe-te em pé! Levanta-te e resplandece, porquanto a Tua Luz é chegada e a Gloria de Deus raia sobre ti”. (Is 60.1)
A Arca da Aliança, o objeto mais sagrado do culto, onde no Lugar Santíssimo ficava, e somente o sumo sacerdote entrava uma vez por ano, irradiava uma “Luz Sobrenatural”, que simbolizava a Presença de Deus. Quando o sumo sacerdote chegava à Presença de Deus, ele deveria estar totalmente purificado para derramar o sangue do cordeiro por cima da tampa, o propiciatório. Nesse dia, os pecados do ano inteiro eram expiados (o chamado Yon Kippin). Para os judeus e prosélitos, a Arca não era só uma representação, mas a própria Presença de Deus, como um dos elementos centrais do culto praticado pelos israelitas, em todo o período Monárquico. A Arca da Aliança era o símbolo maior da “Kavod”=”Substância Pesada”, ou seja, a Glória de Deus descia comparada a uma descarga elétrica, uma carga muito pesada, impossível de um ser humano suportar.

Os acontecimentos mais impressionantes de toda a vida terrestre do Senhor Jesus Cristo, foi Sua Transfiguração no Monte Tabor. Seu Rosto brilhou como o Sol, Suas vestes tornaram-se resplandescentes de brancura, e João Evanglista, um dos que viram esta Glória, dirá mais tarde no prólogo de seu Evangelho: “Nós vimos a Sua Glória! A Glória que o Filho Único recebe do Seu Pai, cheio de Graça e de Verdade”. (Jo 1.14) E em sua primeira carta: “Deus é Luz e Nele não existe treva alguma”. (1 Jo 1.5) Este brilho não é como a de Moisés no Monte Horeb, que “refletia” a Glória de Deus. Este Brilho trata-se de uma afirmação categórica da Divindade do Senhor Jesus. No Monte Horeb, Deus não permitiu que Moisés visse Sua Face pois, se isso acontecesse ele morreria. Os discípulos sabiam que ninguém poderia ver a Face de Deus e permanecer vivo. Tiveram medo, porém, o Senhor “toca-os”, apascenta o coração amedrontado deles e diz: “Não tenham medo”. Então uma nuvem luminosa os envolveu, e eis, vindo da nuvem, uma vos que dizia: “Este é o Meu Filho Amado, em quem Me Comprazo; a Ele Ouçam”.(Mt 17.5)

Revelação é revelar, tirar o véu. O Senhor Jesus revelou Sua Verdadeira Identidade: “A Luz do mundo”. O Rosto e as Suas vestes tornaram-se Fulgurantes de Luz. Então, qual a diferença entre “Brilhantes” e “Diamantes”? Diamante é uma pedra e Brilhante é o nome dado a um estilo específico de lapidação do Diamante. O Brilhante é símbolo desta “Luz Sobrenatural” da Glória de Deus. O diamante é a substância mais dura encontrada na natureza, o que significa que apenas um diamante pode cortar, ou riscar outro diamante. Qualquer outro material como o ferro ou o aço, não podem sequer arranhar um diamante. Metaforicamente, o diamante é invencível, fixo e inalterável. Mas, não confunda “Brilho” com refratividade. O Brilho consiste na intensidade com que a Luz é refletida pelo corte da gema. Já a refratividade tem a ver com a cor da luz que é refratada. O “Brilho Intenso”, e não em um brilho colorido é a manifestação da Glória. Um dos fatores que mais impressiona em um diamante é sua quebra de luzes. Nenhuma outra gema tem o poder incomparável do diamante, de produzir “relâmpagos” de luzes de diversos ângulos. O Brilhante tem lapidação característica, com 58 facetas, ou seja, todo Brilhante é um Diamante lapidado, mas nem todo Diamante lapidado é um Brilhante.

Portanto, o símbolo da Glória de Deus é comparado à Pedra Preciosa de maior gema. Em santa visão, foi permitido ao apóstolo João penetrar no Céu, e ele contemplou o Senhor Jesus Cristo, o Sumo Sacerdote no Lugar Santo com todo o Seu Intenso Brilho. O objetivo do polimento é encontrar um “Apsta”, que é o ponto de vista ótico do qual a Luz penetrará o Diamante por todos os lados. Um diamante não possui luz própria, mas reflete a Luz que brilha sobre ele. Disse o evangelista João…”Imediatamente, eu me achei em espírito”. João já não vê com os olhos físicos nem escuta com os ouvidos físicos. Ninguém jamais viu a Deus, pois Ele habita em Luz Imarcessível. Em carne e sangue o apóstolo do amor não suportaria contemplar o Esplendor da Glória. Então, ele tem uma “Visão” para contemplar a Face do próprio Deus. O que João viu quando olhou para o Trono, só pode ser descrito em símbolos, em termos de brilho de Pedras Preciosas.

Aquele que é o Novo Caminho está substituindo o Antigo. João diz que o SENHOR Entronizado é semelhante, no aspécto, a Pedra de Jaspe (a mais cristalina, a mais pura, sem nenhuma poluição), ou seja, o próprio Diamante. Há uma abundância de Luz que emana dessa Pedra Principal, e, ao redor do Trono, há um Arco-íris. Tudo está ao redor do Trono, e está dirigido ao Entronizado…”Ele olha e vê”…e eis que estava uma porta aberta no céu e eis que um Trono estava posto no céu…e o que estava assentado era, na aparência, semelhante à Pedra de Jaspe e de Sardônia e o Arco Celeste estava ao redor do Trono e era semelhante à Esmeralda, e no lugar Santíssimo estava a Arca da Aliança.” (Ap.1,3) A palavra Tranfiguração significa “mudança”, “transformação da Imagem”, da “figura”.

Por isso, uma Gema (do latim gemma) ou Pedra Preciosa, é apreciada especialmente pela sua beleza ou grande perfeição, portanto, a aparência é quase sempre o atributo mais importante das gemas. Todas as gemas são consideradas preciosas. O diamante, pelo fato de ser constituído por apenas um elemento químico, o Carbono, torna-se o único entre as Pedras Preciosas, e sua Gema é de maior valor. O seu Quilate significa Pureza Total. A Bíblia declara expressamente que o Santuário do Céu, é o lugar no qual o Senhor Jesus Cristo passou a ministrar em favor de todos os povos da terra. Como ponto de referência, um “Brilhante”que emana todas as cores, e vêm em variedade de tons, em ordem de raridade, o O Senhor Jesus Cristo é a própria Luz de todas as luzes. “Eu Sou a Luz do mundo; quem Me segue de modo algum andará em trevas, mas terá a Luz da Vida”. (Jo 8.12)

A palavra symbol, tem origem no latim e o seu significado é “Representação”, “Percepção”, “a significação convencional de uma realidade”. O que se encontra “Oculto” na Profundidade de uma Pedra Preciosa, sempre está à espera de quem a saiba lê-la, a riqueza contida em um Diamante. De repente as pessoas que por alí passavam, viam um diamante enviando raios luminosos com as cores do Arco-íris quando colocado ao sol, jogado ao chão. Está perdido, abatido, parecendo um caco de vidro. O brilho chamou a atenção de um sacerdote, mas, este continuou seu trajeto pensando: “que beleza de pedra, parece um diamante, talvez até seja um diamante, mas também pode ser apenas um pedaço de vidro imitando um diamante! Em seguida um levita chegou ao local e também viu o brilho, pensou que era vidro e passou pelo outro lado. Mas um samaritano, estando de viagem, chegou onde se encontrava o brilho, tomou aquela pedra preciosa em suas mãos, e levou-a para “cuidar”. Portanto, esta metáfora do bom samaritano, mostra que”Respeito”, é muito diferente da palavra “Cuidado”. O dia em que as pessoas deixarem de procurar explicações para coisas que estão fora, atraírão a Luz para dentro.

O brilho da Glória ilumina a consciência espiritual, que destapa a obscuridade da alma. O símbolo do diamante é uma espécie de espelho que permite à pessoa ver através de si, ver os valores dos seus semelhantes, e do brilho que irradia de forma contínua ao seu redor. De entre os inumeráveis símbolos que existem no mundo, o uso do diamante é um dos símbolos mais belos e profundos que contém na Bíblia. O diamante forma-se nas profundezas da terra, a uns 150 a 250 quilómetros da superfície, a temperaturas de 1.000-1200 graus celsius. Quando o diamante se encontra na natureza, em geral não reluz e não brilha. É necessário um longo processo de limpeza e de lapidação para fazer destacar as sua características particulares. Existe nas profundezas da alma humana uma expressão por si mesma, e o ser humano tem uma beleza oculta no secreto. Tudo o que ele precisa é a purificação e lapidação desta pedra preciosa que está viva no seu coração. O segredo e a teoria da lei da atração tentam revelar uma descoberta do que é, sempre foi e jamais deixará de ser. Os pensamentos geram um impulso que o Universo capta, atraindo assim, o brilho da luz interior.

A Metafísica é o estudo daquilo que vai além da Física, e tem por finalidade o estudo das causas primeiras e a busca de uma verdade que foram, são e serão eternas. E não podem ser de outro modo. A Filosofia é, antes de tudo, um Pense Nisso e não um Pense Isso. Portanto, somente é possível atrair a Verdadeira Luz em sua mente através dos pensamentos, que são sementes da verdade, onde o amor deve impregnar a alma. Uma alma se torna invencível ao atrair o amor, que é a força da atração. Disse Madre Teresa…”Lembrem-se, e esta é uma das afirmativas mais difíceis e mais maravilhosas de entender, não importa a dificuldade, não importa o local ou a quem afete, você não tem outro instrumento para agir no mundo, senão você mesmo, não tem nada a fazer senão se convencer da verdade que quer ser manifestada”. O brilho flui para onde a atenção se dirige, e nada começa a existir a partir do exterior, tudo parte do ato inicial de pensá-lo e senti-lo no íntimo, pois, a capacidade de amar é ilimitada.

Todo esse Brilho da Glória de Deus é uma Torre de Transmissão do Universo. Só existe uma Mente Universal Única. O Senhor Jesus Cristo é o Cabeça, A Pedra Principal, e não há nenhum lugar onde Ele não esteja, e nesta Mente Única, somos todos “UM”. Por isso, a palavra “Respeito” significa “Olhar outra vez”. Assim, algo que merece um segundo olhar é algo digno de “Respeito”. O respeito deve ser merecido, e inclui a palavra “cuidado”. O respeito é um valor que permite que o homem possa reconhecer, aceitar, apreciar e valorizar as qualidades do próximo, e os seus direitos. O respeito pela Essência Sagrada significa conscientização do respeito ao homem. A formação tem a ver com formar, um processo ou conjunto de ações ou de procedimentos que dão forma, e a forma é a própria Essência. Como pensar diante da forma humana? Mais importante talvez que o primeiro banho de água, foi o banho que o tornou “Homem”, isto é, o banho no universo do símbolo de permanecer perpetuamente úmidos, que toalha nenhuma enxuga.”Então, voltando-Se o Senhor, fixou os Olhos em Pedro”. (Lc 22.54)

O apóstolo Pedro pode entender os OLhos do Senhor Jesus dizendo-lhe: “Eu Te Amo”. Após ser visto pelas pessoas de maneira acusadora, Pedro contemplou Olhos cheio de Amor, e quando reencontrou com o brilho destes Olhos, pode dizer por três vezes ao Seu Senhor:”Eu te Amo”. O Respeito constitui uma virtude, porque quanto mais respeito se tem mais se ama. Respeitar é bom, mas amar é dom de Deus. E, o Cuidado é o deslocamento de interesse da sua realidade para a do outro, ou seja, encarar a realidade do outro como uma possibilidade para a minha própria realidade. O desenvolvimento da capacidade de “cuidar” é essencial para o desenvolvimento do ser. O cuidado, portanto, engloba atos, comportamentos e atitudes para humanizar, “tornar humano”. Ver Deus no homem é sabê-lo respeitar em vida. Por isso, o Senhor pediu à Pedro: Apascenta as minhas ovelhas”. O “Respeito” engloba o “Cuidado”. A Arca sou eu”, a Entrada sou eu, o Templo sou eu:”Somos Templo do Espírito Santo, e é em nossos corações que Ele habita”. (1 Co 6.19)
Pra e Psicopedagoga:”MÔNICA DRUZIAN”

Ref:
Wikipédia-Respect
SHEED,Russel.O Novo Comentário da Bíblia.
BARROW, Martyn- A Arca da Aliança.